Uso indiscriminado de remédios para disfunção erétil pode trazer problemas à saúde


A promessa dos medicamentos para problemas de ereção é tentadora: tornar possível o ato sexual em qualquer idade. Hoje, a facilidade em obtê-los, assim como os preços, bem acessíveis, tendo até mesmo genéricos das marcas mais famosas, fez as vendas subirem, porém, como todo medicamento, não é indicado ser usado sem prescrição médica e é preciso cautela por parte dos usuários.

Segundo o urologista Orestes Mazzariol Júnior, o número de homens que estão usando esse tipo de remédio aumentou por dois motivos. O primeiro seria por causa do aumento na expectativa de vida e integração e participação social dos homens com mais de 60 anos, que acabam fazendo uso do remédio, e o segundo porque muitos jovens estão usando os remédios para prolongar o tempo do ato sexual, o chamado uso recreativo.

Porém, como todo medicamento, ele tem seus efeitos colaterais, como rubor, cefaleia, congestão nasal, tonturas, desmaios e a potencialização dos riscos cardiovasculares, o que pode ser fatal. Além disso, homens que fazem uso de nitratos (medicamentos para o coração como monocordil, isordil e sustrate, utilizados geralmente em casos de angina) para dilatação coronariana ou qualquer outro problema cardíaco têm contraindicação total para esses medicamentos, podendo sofrer uma grande queda de pressão arterial, evoluindo para um infarto agudo do miocárdio ou um derrame.

No caso dos jovens, o uso indiscriminado recreativo tem aumentado os casos de DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis) por estarem muitas vezes associados ao consumo de drogas e álcool. Outro perigo é a dependência que o uso do remédio pode causar no jovem, que pode se acostumar a só ter relações sexuais se for com o auxílio do medicamento e se sentir inseguro quando não usá-lo.

O especialista também alerta para o fato de que a disfunção erétil pode ser um sintoma de uma doença mais séria, como doenças coronarianas, diabetes e hipertensão arterial e que isso pode ser, inclusive, a primeira forma de manifestação dessas doenças. “Esse sintoma pode aparecer até 10 anos antes da doença em si se manifestar, por isso a importância de consultar um médico especialista para que ele avalie o quadro como um todo, motivo pelo qual o uso indiscriminado é condenado e contraindicado”, finaliza o urologista.

 Orestes Mazzariol Júnior é formado na UNICAMP. Urologista Especialista pela Sociedade Brasileira de Urologia e pelo Conselho Federal de Medicina. Membro da Sociedade Internacional de Sexualidade Médica. Especialização em Uro-Oncologia nos Estados Unidos.

Anúncios

1 Comentário

  1. Sem duvida. Principalmente problemas de circulação, hipertenção e cardiacos

    Curtir


{ RSS feed for comments on this post}

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: