Archive for maio, 2012

Mitos e verdades sobre a vacina contra a gripe

Até o dia 25 de maio acontece a campanha nacional de vacinação contra a gripe. A dose disponível em mais de 60 mil postos espalhados pelo Brasil protege a população da gripe comum e também do vírus influenza A (H1N1), a gripe suína.

A campanha existe desde 1999 e é destinada aos idosos a partir de 60 anos, crianças de seis meses a dois anos incompletos, grávidas em qualquer período da gestação, indígenas e profissionais de saúde. A meta do Ministério da Saúde é vacinar 24,1 milhões de pessoas, o equivalente a 80% do público-alvo.

Porém, muita gente tem medo de tomar a vacina alegando que a vacina provoca uma gripe ainda mais forte ou que pode trazer outros tipos de reações.

Para esclarecer algumas dúvidas, o Vila Mulher conversou com Dra. Adriane Cruz, pediatra e infectologista do Hospital Quinta D’Or, no Rio de Janeiro. Confira:

Por que pessoas a alérgicas a ovo não podem tomar a vacina? Esta e outras vacinas possuem em sua composição proteínas como a ovoalbumina, agente causador da anafilaxia (alergia grave) ao ovo.

Quem estiver gripado e tomar a vacina pode potencializar a doença? O sintoma mais associado após a vacina é vermelhidão no local da aplicação e febre, que ocorrem de seis a 24 horas após a aplicação. As contraindicações à vacina, além dos alérgicos a ovo, servem para as pessoas com doença febril aguda, de moderada a severa, que pode ser um sintoma de gripe. Nesse caso, a vacinação deve ser adiada até o desaparecimento dos sintomas.

Pessoas que tomam a vacina pegam gripes mais leves ao longo ano? A vacina protege, mas não tem eficácia de 100%. Estudos mostram que a proteção em crianças e adultos saudáveis pode ser de 70 a 90% e que a vacina contra a gripe pode reduzir a necessidade de hospitalização por pneumonia em maiores de 60 anos em até 70%.

Quando a vacina é tomada todo ano ela corre o risco de perder a eficiência? Não. Os vírus sofrem mutações todos os anos e o Ministério da Saúde está atento a estas mudanças. Além do mais, é recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) a vacinação todos os anos contra o vírus influenza.

Há riscos para os bebês de grávidas que são vacinadas? Não. Aliás, a gestação é um excelente momento para vacinar. O bebê ficará protegido por passagem de anticorpos via placenta até que possa receber a vacina. No período da gestação, as mulheres ficam mais suscetíveis a infecções, como gripes e resfriados, com altas taxas de mortalidade.

Por que crianças com menos de seis meses não podem tomar vacina? Os estudos foram realizados em pessoas a partir de seis meses, uma vez que existe influência dos anticorpos maternos na imunidade do recém-nascido. Somente após os seis meses, que é quando o bebê começa a perder a proteção que recebia do corpo da mãe (na placenta materna), é que é recomendável a aplicação.

A vacina só deve ser tomada em risco de epidemia? Não. Trata-se de uma doença viral, altamente contagiosa, afetando todas as idades com altas taxas de morbidade e mortalidade a cada ano. Apesar de ser autolimitada na grande maioria das vezes, ou seja, o próprio organismo se encarrega de curar em poucos dias, há possibilidade de complicações, independentemente de estarmos diante de epidemia. Considere a vacinação sempre que houver possibilidade.

Fonte: Portal Vaccine Care

Procura pela vacina da gripe dobra em clínicas

Após 3 mortes por gripe suína em uma semana na região, população coloca a mão no bolso para se imunizar.

Depois da confirmação de três mortes por gripe suína (H1N1)  em apenas uma semana na região de Rio Preto e Brasília, a procura pela vacina contra a doença dobrou nas clínicas particulares das cidades. As vacinas custam entre R$ 60 e 80.

A Vaccine Care passou a vender cerca de 100 doses diárias. “A procura aumentou depois do lançamento da campanha e, principalmente, depois de confirmadas as mortes na região”, afirma  a enfermeiro Carlos Eduardo, que é  gerente do setor de vacinação da Vaccine Care.
O enfermeiro Carlos Eduardo, afirma que qualquer pessoa acima de seis meses pode tomar a vacina. “A imunização é contraindicada para quem tem alergia a ovo ou algum componente da vacina”, disse.

Entre os Brasilienses que colocaram a mão no bolso para se imunizar contra a gripe está a a advogada Adriana da Costa Ferreira, de 36 anos. “É melhor prevenir do que remediar. Prefiro gastar agora com a vacina do que mais tarde com remédios e internações”, disse ela.

Rede Pública /Apesar da distribuição gratuita, a Secretaria de Saúde do Distrito federal está longe de atingir a meta  do município durante a Campanha Nacional de Imunização contra a Influenza. Na cidade, 75.187 pessoas, entre  crianças (de seis meses até um ano e 11 meses), grávidas e profissionais da saúde devem ser imunizados até o dia 25.

Até sexta-feira, apenas 23.224 tinham tomado a vacina contra a gripe. A meta é vacinar pelo menos 80% do público alvo da campanha. Ou seja, 60.149 rio-pretenses. De acordo com a enfermeira e coordenadora do setor de imunização da Secretaria de Saúde, Michela Dias Barcelos, a vacina disponibilizada neste ano vai imunizar contra três tipos de vírus – influenza A (H1N1), influenza A (H3N2) e B.

Os adultos receberão apenas uma dose da vacina, já as crianças receberão meia dose e, depois de 30 dias, a outra metade. “São 25 postos de vacinação fixos nas UBS, além de 32 equipes para os postos volantes”, disse ela. Hoje será montado um posto volante na feira-livre da Vila Ercília, das 7h30 às 11h. Medo entre idosos é entrave da campanha nacional contra a gripe

O lavrador Antônio da Silva, de 60 anos, já decidiu: não vai tomar vacina contra a gripe . Este seria o primeiro ano em que ele poderia se beneficiar da campanha, que oferece de graça a dose que previne a doença do tipo comum e suína. “Não vou tomar. Parentes meus ficaram doentes depois de tomar a vacina”, disse ele.

A enfermeira Michela Barcelos garante que a vacina não faz mal e nem desencadeia nenhuma doença. “Pelo contrário, a vacina tem o poder de prevenir contra a doença e principalmente complicações relativas à gripe como pneumomias, por exemplo, uma das maiores causas de óbitos entre idosos”, disse ela. Já o aposentado Ademar Chiaramonte, 67 anos, não fica um ano sem tomar a vacina. “Todos devem tomar a vacina, nem que seja preciso pagar”, afirma ele.

MAIS 30 milhões de pessoas fazem parte do público-alvo da  Campanha Nacional de Imunização contra a Influenza em todo o país.

75.187 pessoas fazem parte do público-alvo da  campanha em Rio Preto. Elas devem ser imunizadas até o dia 25/05 nas unidades de saúde ou nos postos volantes montados pela Secretaria de Saúde.

Nove coisas que as pessoas bem sucedidas fazem de diferente

Por que você foi tão bem sucedido em conquistar alguns objetivos e outros, não? Se você não sabe bem por que, você está longe de estar sozinho nessa. Até mesmo pessoas brilhantes e muito bem sucedidas têm problemas em compreender seus fracassos ou seus sucessos. A resposta intuitiva – que você nasceu com pré-disposição para alguns talentos e não para outros – é apenas uma pequena peça do quebra-cabeça. Na verdade, décadas de estudos sobre o sucesso sugerem que as pessoas bem sucedidas atingem seus objetivos não simplesmente por causa de quem são, mas mais pelo que fazem.

Nove coisas que as pessoas bem sucedidas fazem de diferente

 1. Seja específico. Quando você define um objetivo, tente ser o mais específico possível. “Perder cinco quilos” é um objetivo melhor que “perder peso”, pois dá a você uma ideia clara do que seria o sucesso. Saber exatamente o que você quer conquistar o mantém motivado até que você chegue lá. Além disso, pense em ações específicas que precisam ser tomadas para que você atinja seu objetivo. Simplesmente prometer que você vai “comer menos” ou “dormir mais” é muito vago – seja claro e preciso. “Eu irei pra cama às 10h da noite durante a semana” não deixa espaço para a dúvida com relação ao que você precisa fazer e se você conseguiu fazê-lo ou não.

2. Aproveite o momento para se dedicar aos seus objetivos. Tendo em vista que a maioria de nós é muito ocupada e lidamos com muitos compromissos ao mesmo tempo, não é de surpreender que percamos, diariamente, chances de fazer algo por nossos objetivos simplesmente porque não as enxergamos. Você realmente não teve tempo de malhar hoje? Nenhuma chance em momento algum de retornar aquela ligação? Atingir seus objetivos significa agarrar-se a essas oportunidades antes que elas escorram pelos seus dedos. Para aproveitar o momento, decida quando e onde você vai tomar cada atitude que quer tomar com antecedência. Novamente, seja o mais específico possível (por exemplo: “Às segundas, quartas e sextas, vou malhar por 30 minutos antes do trabalho”). Estudos apontam que esse tipo de planejamento ajuda o cérebro a detectar e aproveitar as oportunidades quando elas aparecem, aumentando suas chances de sucesso em aproximadamente 300%.

 3. Saiba exatamente quanto ainda falta para chegar lá. Atingir qualquer objetivo também requer um monitoramento honesto e regular do seu progresso – se não por outras pessoas, que seja feito por você mesmo. Se você não souber ao certo o que está fazendo, você não poderá ajustar seus comportamentos ou suas estratégicas da maneira correta. Cheque seu progresso com frequência – semanalmente, ou mesmo diariamente, dependendo do seu objetivo.

4. Seja um otimista realista. Quando você define um objetivo, engaje-se em ter pensamentos positivos com relação à probabilidade de você atingi-lo. Acreditar na sua habilidade para o sucesso ajuda tremendamente a criar e manter sua motivação. Mas não importa o que você faça, não subestime quão difícil pode ser atingir seu objetivo. A maioria dos objetivos que valem a pena requer tempo, planejamento, esforço e persistência. Estudos mostram que pensar que as coisas virão até você de maneira fácil e sem esforço o deixa mal preparado para o caminho à frente e aumenta significativamente as chances de fracasso.

5. Foque-se em melhorar ao invés de em ser bom. Acreditar que você tem a habilidade de conquistar seus objetivos é importante, mas acreditar que você pode conquistar essa habilidade também é. Muitos de nós acreditam que nossa inteligência, nossa personalidade e nossas aptidões físicas são fixas – e não importa o que façamos, não vamos melhorar. Como consequência, nós nos focamos em objetivos que buscam nos autoafirmar ao invés de nos autodesenvolver e adquirir novas habilidades. Felizmente, décadas de pesquisas sugerem que a crença nas habilidades fixas está completamente errada – todos os tipos de habilidades são profundamente maleáveis. Assimilar o fato de que você pode mudar vai ajudá-lo a tomar decisões melhores e atingir seu potencial máximo. As pessoas cujos objetivos são sobre melhorar ao invés de ser bom, sentem que a caminhada é difícil e apreciam a jornada tanto quanto o destino.

6. Seja corajoso. A coragem é a força de vontade de se comprometer com objetivos de longo prazo e persistir frente às dificuldades. Estudos mostram que alunos corajosos estudam mais e têm notas melhores. A coragem define quais cadetes vão sobreviver ao primeiro ano de exército e continuar. A boa notícia é que se você ainda não é muito corajoso, você pode consertar isso. Pessoas que não tem coragem geralmente assumem que não têm as habilidades inatas que as pessoas bem sucedidas têm. Se você pensa assim, bem, não há uma maneira melhor de dizer isso, mas: você está errado. Como eu mencionei anteriormente, esforço, planejamento, persistência e boas estratégias é que garantem o sucesso. Assimilar esse conhecimento vai ajudá-lo não apenas a ver a si mesmo e seu objetivo com mais precisão, como também fazer maravilhas para melhorar sua coragem.

7. Aumente seus músculos da força de vontade. Seu “músculo” do autocontrole é como todos os outros músculos do seu corpo – quando não é exercitado, vai ficando mais fraco com o passar do tempo. Mas quando você o exercita regularmente, tornando-o útil, ele vai ficar cada vez mais forte e mais capaz de ajudá-lo a atingir seus objetivos com sucesso. Pra construir a força de vontade, aceite desafios de fazer coisas que você preferiria, na verdade, não fazer. Abra mão dos lanches gordurosos, faça 100 abdominais por dia, endireite-se quando perceber que está desleixado, tente aprender algo novo. Quando você sentir que está prestes a desistir, fraquejar ou largar mão, não o faça. Comece com apenas uma atividade e trace um plano sobre como você vai lidar com os problemas quando eles aparecerem (“Quando eu estiver com vontade de comer, vou comer uma fruta fresca ou três porções de frutas secas”). Vai ser difícil no começo, mas vai se tornar mais fácil – e essa é a ideia. À medida que sua força aumenta, você poderá aceitar mais desafios e aumentar sua carga de exercícios de autocontrole.

8. Não force a barra. Por mais forte que seu músculo da força de vontade se torne, é importante sempre respeitar o fato de que ele é limitado e se você sobrecarregá-lo, você pode ficar temporariamente sem energia. Não tente assumir dois desafios de uma vez só, se você puder (como parar de fumar e emagrecer ao mesmo tempo). E não complique seu próprio caminho – muitas pessoas confiam demais em sua habilidade de resistir à tentação e, como resultado, acabam se colocando em situações em que são vencidos pela tentação. Pessoas bem sucedidas sabem como não fazer com que atingir seu objetivo seja mais complicado do que já é.

9. Foque-se no que você tem que fazer, não no que você não tem. Você quer perder peso, parar de fumar ou abafar o seu mau humor? Então planeje como você vai trocar esses hábitos ruins por hábitos bons ao invés de somente se focar nos hábitos ruins em si. Pesquisas sobre supressão de pensamentos (por exemplo, “Não pense em ursos brancos!”) comprovam que tentar evitar um pensamento, na verdade, o torna ainda mais ativo em sua mente. O mesmo acontece quando se trata de comportamentos – ao tentar não ter um hábito ruim, nossos hábitos ficam mais fortes ao invés de serem eliminados.

Se você quer mudar, pergunte a si mesmo: “O que é que eu vou fazer no lugar”? Por exemplo, se você está tentando ter controle sobre seu temperamento e parar de esquentar por qualquer coisa, você pode planejar algo como: “Se eu começar a me sentir nervoso, vou respirar fundo três vezes para me acalmar”. Ao usar a respiração funda como um substituto da raiva, o hábito ruim vai se apagando com o tempo até desaparecer completamente. Espero que, após ler essas nove coisas que as pessoas bem sucedidas costumam fazer de diferente, você tenha tido algum insight com relação às coisas que você tem feito de certo até agora. Mais importantemente, espero que você tenha conseguido perceber os erros que o estão atrapalhando e use esse conhecimento para seu próprio benefício daqui pra frente. Lembre-se: você não precisa se tornar uma pessoa diferente para se tornar uma pessoa bem sucedida. Nunca se trata do que você é, mas do que você faz.