Posts Tagged ‘saúde’

Este é o efeito que um beijo de língua produz no cérebro

image

Ato íntimo desperta neurotransmissores que levam ao otimismo, mas também à raiva

Dá-me um beijo

Como funciona o cérebro de uma pessoa  apaixonada.

O beijo erótico, esse que provoca sensações conflitantes (calafrios–calor) e acelera o coração, esconde um complexo mecanismo. Um processo que começa nos lábios, a região do corpo que, apesar de suas dimensões reduzidas, é junto com a ponta dos dedos a de maior densidade de terminações nervosas, ou seja, em seu interior há múltiplos receptores com grande capacidade para perceber, explorar e transmitir informações para o cérebro. “Nos lábios se nota com muita precisão a temperatura corporal da outra pessoa, o tônus muscular e até o estado de seu sistema imunológico por meio dos anticorpos e outras proteínas desse sistema. Além disso, durante o beijo, especialmente o de língua, há um importante intercâmbio de saliva, que faz que o homem passe testosterona para a mulher e aja como uma espécie de afrodisíaco que ativa a receptividade sexual da mulher. Quando toda a informação chega ao cérebro, ele avalia se lhe agrada ou não, se o rejeita ou o aceita”, explica David Bueno i Torrens, biólogo e pesquisador de genética na Universidade de Barcelona.

Atração pelo olfato

Os feromônios são hormônios liberados pela pele e influem na atração sexual e, como consequência, no acasalamento. Sua presença nos humanos já foi discutida. Há estudos que dizem que sim, existem. Um deles, publicado na revista Science, mostra que os homens que sentem o cheiro das lágrimas de uma mulher têm redução do apetite sexual. E outro mais recente, publicado na revista Current Biology, mostra que o nariz consegue detectar essas emanações corporais até quando pensamos que não estamos cheirando nada no nível consciente. “Atualmente há a concordância majoritária de que existem receptores na parte mais interna do nariz que as detecta, embora a pessoa não saiba”, afirma o biólogo David Bueno i Torrens, da Universidade de Barcelona.
O beijo serve então como um primeiro exame do outro, um exame do qual não somos conscientes. Isso é confirmado por pesquisa da Universidade de Oxford, realizada por Rafael Wlodarski e Robin Dunbar, que sugere que ele ajuda a analisar a adequação do casal. Também a cientista Sheril Kirshenbaum, da Universidade do Texas, uma das maiores especialistas no tema e autora do livro A Ciência do Beijo (Martins Fontes), junta dados interessantes, como por exemplo que as mulheres se sentem atraídas pelo cheiro dos homens com código genético diferente do seu porque, dessa forma, asseguram melhor prole.

Mas nem tudo é química. A experiência prévia da pessoa ocupa lugar relevante no processo: “As interações de hormônios no cérebro dependem também da experiência prévia da pessoa em suas relações sociais, mesmo que não perceba. Há estudos com ratos que comprovam que quando um macho é recusado pelas fêmeas, dá mais trabalho para se reaproximar delas. Outro exemplo da importância da experiência prévia é que quando se beija uma pessoa conhecida, as reações químicas são diferentes de quando o sujeito é desconhecido”, diz o biólogo.

Uma cascata de hormônios

Quando o cérebro, depois de analisar toda essa informação delicada, diz sim, em décimos de segundo começa a segregar uma série de neurotransmissores (substâncias químicas que fazem a comunicação entre neurônios), e os protagonistas do beijo começam a perceber seus efeitos. “O que notamos de todas estas reações químicas depende do tipo de neurotransmissor, da porcentagem ou balanço entre eles e dos neurônios sobre os quais atuam”, indica David Bueno. Quer dizer, dependendo de qual deles predomine, sentiremos alguns efeitos ou outros. O especialista descreve quatro neurotransmissores básicos despertados pelo beijo: dopamina, que nos faz sentir prazer e bem-estar; serotonina, com a qual sentimos excitação e otimismo, embora também possa ter um efeito de raiva e agressão (“nesse caso, há a rejeição ao par”, salienta Bueno); epinefrina, que aumenta a frequência cardíaca, o tônus muscular e o suor, por isso sentimos calor e a aceleração do coração; e a oxitocina, que gera afeto e confiança.

Mas além disso, outras substâncias são liberadas, como o óxido nítrico, que relaxa os vasos sanguíneos, provocando um aumento no fluxo sanguíneo no pênis e, portanto, a ereção. Ou a feniletilamina, “uma anfetamina potente e rápida que estimula o sentimento de prazer, por isso o primeiro beijo dos adolescentes costuma ser mais intenso e apaixonado”, explica Jesús de la Gándara, chefe de Psiquiatria do Hospital Universitário de Burgos e autor do livro El Planeta de los Besos (o planeta dos beijos). O psiquiatra destaca que não acontece somente com os adolescentes. Segundo Gándara, também pode ocorrer em adultos. “A chave está em encontrar a pessoa que desperte esse neurotransmissor.”

Depois da tempestade vem a bonança
Beijar é bom. Há estudos que mostram que as pessoas que beijam vivem mais, porque tudo que há a seu redor é positivo (companhia, ajuda, apoio emocional)
Jesús de la Gándara, psiquiatra
Só que a paixão não é eterna. A química do beijo parece mudar com o passar do tempo dentro de uma mesma relação. Com isso, o amor inicial, em que tudo é energia e vitalidade, vai se desvanecendo paulatinamente e dá lugar a uma segunda etapa, mais tranquila. Para o biólogo David Bueno, a razão dessa mudança reside na saturação dos receptores do cérebro. “Passa-se para outra etapa na qual não se sente a paixão inicial, mas se está bem com essa pessoa. Embora nem todos os casais façam a passagem do primeiro estágio para o segundo”, esclarece. O psiquiatra Jesús de la Gándara destaca inclusive que há uma mudança na química cerebral: “no início da relação há grande estimulação hormonal com predomínio dos andrógenos (testosterona) e da dopamina, mas com o passar do tempo muda, com mais estímulo à vasopressina e à oxitocina; beijam-se com menos frequência e intensidade, mas de maneira mais carinhosa e estável”. Algo que parece confirmar estudo realizado na Universidade Bar llán, em Israel, que mostrou o importante papel da oxitocina, o hormônio que gera afeto, nas relações estáveis.

Não se pode esquecer que pelo beijo também dividimos enfermidades, por exemplo a mononucleose (também conhecida como doença do beijo, muito comum em adolescentes). De fato, em cada beijo de 10 segundos intercambiamos 80 milhões de bactérias, segundo pesquisa feita na Holanda. Isso significa que é ruim beijar? “Não, beijar é bom. Há estudos que mostram que as pessoas que beijam mais vivem mais, porque tudo que há à sua volta é positivo (companhia, ajuda, apoio emocional). Não fazê-lo significa que não se tem boa relação com seres humanos”, afirma o psiquiatra, que conclui que o difícil não é que beijem você, e sim ter alguém que se deixe beijar.

Fonte:

http://flip.it/yApaV

DORMIR ABRAÇADO A ALGUÉM ALIVIA O STRESS…

“A maioria dos casais apaixonados gostam de dormir abraçados, ou em conchinha, e aqui está a prova de que fazem muito bem.
Um estudo comprova que pessoas que dormem de conchinha são muito mais calmas, descontraídas e ponderadas. Para além disso, ainda prova que a relação do casal a dois e a sua cumplicidade melhora muito com esta prática.

Segundo investigadores da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, dormir ao lado do parceiro diminui o nível de cortisol no sangue – a hormona conhecida como sendo a hormona do stress.

Isto porque nós nos sentimos mais protegidos e seguros quando dormimos com alguém, portanto o corpo fica mais relaxado e não sente tanta necessidade em produzir tanto cortisol.

Além de diminuir o stress, dormir abraçado ou em conchinha também estimula a produção de ocitocina. A vantagem é que esta hormonia estimula o sistema imunológico, ajudando no combate de inflamações, e ainda faz o sistema digestivo funcionar melhor.
Motivos não faltam. Para o pessoal que dorme sozinho, toca a arranjar companhia para dormirem abraçadinhos e começarem a tratar da vossa saúde hoje mesmo! Nem que seja o gato de estimação.”

Como vencer a frustração e a desmotivação

frustracao

Um dos maiores mitos que cercam pessoas bem sucedidas é que elas “devem” se sentir motivadas o tempo todo, não devem conhecer a frustração e conseguem fazer tudo que se propõem, sempre.

Motivação é como uma chama, ela ascende, queima, mas invariavelmente apaga. Ninguém vive constantemente motivado, mesmo aquelas pessoas que parecem estar sempre com a corda toda.

Hoje vamos falar sobre os aspectos que podem ampliar os efeitos negativos da frustração e da desmotivação e também sobre o que fazer para evitar e superar essas armadilhas, em sua maioria, mentais.

De vez em quando, nos sentimos apáticos, como se o mundo não fizesse mais sentido. Outros dias, nossas expectativas são quebradas, ficamos frustrados. Ainda passamos por aqueles períodos em que a vida está tão maluca e confusa que por mais que queiramos produzir, as coisas simplesmente não acontecem.

Em primeiro lugar, precisamos entender que esses períodos fazem parte da vida. Até um certo ponto, podemos nos permitir nos sentir pra baixo sem culpa. Lutar contra absolutamente todo traço indesejável pode nos causar ansiedade, estresse e até mesmo depressão quando esta luta parece não surtir efeito. Precisamos nos permitir sermos humanos, sem qualquer expectativa de que poderíamos manter um desempenho perfeito a todo instante.

Dito isso, podemos lançar mão de técnicas e principalmente, mecanismos mentais, para potencializarmos a autodisciplina e vencermos parte desses momentos negativos. O importante é não se encher de culpa quando não conseguimos manter a produtividade. Nós passamos por altos e baixos e está tudo bem. O segredo do progresso é não extender esses baixos por períodos muito longos, “perdendo os bondes” das oportunidades que passam.

1. A sua situação NÃO É DIFERENTE!

Um dos maiores – senão o maior – empecilho para o progresso pessoal é convencer a si mesmo que a sua situação é diferente dos demais e sendo assim, nenhuma dica, nenhuma técnica, nenhuma solução se aplica a você.

Esse mecanismo é frequentemente usado para justificar o fracasso ou baixo desempenho pessoal. Qualquer que seja a hipotética solução para o seu problema, lançada por outros como sugestão, ela não se aplica ao seu caso, por que “tem isso”, “tem aquilo” e “tem mais aquele outro”, problemas estes intransponíveis e que justificam “totalmente” a sua situação, ausentando-o da culpa.

Alguém cita um caso em que algo parecido foi solucionado e você responde evidenciando as diferenças entre você e o outro, numa tentativa de justificar porque o outro foi capaz de resolver a situação, mas você não poderia. Essa justificativa é a sua desculpa. Você acredita nela com tanta fé que engessa a si mesmo. Você não faz nada porque se convenceu de que na sua situação não há nada o que fazer, apesar de entender que os outros possam superar os mais diversos tipos de problemas. É que a minha situação é diferente, sabe? Não, não é! Mas enquanto você estiver convencido de que é sim, e que por isso você não pode se mexer, você não vai se mexer. Parece tão besta, não é? E é!

2. Você não é o centro do universo!

A primeira situação geralmente nos leva a essa segunda: a pessoa se considera o centro do universo. A situação dela é diferente, por isso ela não pode fazer nada, apesar dos outros conseguirem superar situações semelhantes, os detalhes da situação dela fazem com que ela nunca encontre um exemplo parecido o suficiente para que possa se convencer de que ela também pode. Esse raciocínio detalhista – o mínimo detalhe separa a pessoa do resto do mundo, faz com que a pessoa se veja como centro do universo. Tudo acontece por causa dela, tudo acontece para atrapalhar a vida dela, tudo o que não corresponde 100% com suas expectativas a frustra e o mundo conspira contra ela.

É claro que esse tipo de raciocínio é inconsciente – quando é consciente a pessoa é diagnosticada com esquizofrenia! Na prática, essa é a pessoa que fica de cara feia com os outros por qualquer motivozinho besta, que se frustra com o empecilho mais insignificante. A impressora não imprime? Estragou o dia dela! O colega no trabalho não deu bom-dia?Deve estar de conchavo com os outros pra me boicotar!

A pessoa que se vê como centro do universo sempre acha que tudo o que acontece tem um motivo e esse motivo tem a ver com ela. Ela não pensa que o cara que não dá bom-dia no trabalho pode estar com algum problema pessoal ou ser simplesmente desatento – ou mesmo mal educado. Ele evidentemente tem alguma coisa contra mim! Só pode ser! Do contrário, por que não me cumprimentaria?

Essas pessoas tendem a ser supersticiosas, todo sinal é para elas. Tudo é uma sincronicidade, positiva ou negativa. A reação e atitude das pessoas sempre tem a ver com o que pensam delas. No final das contas, essas pessoas sofrem muito e se tornam vulneráveis a frustrações e humores. Se o universo está conspirando a favor, elas se sentem bem e produzem, se as coisas parecem não estar dando certo, elas se frustram e se voltam contra o mundo, exigindo de cara fechada que o mundo volte a ser como elas querem que ele seja.

Quem se identifica com esse perfil precisa abrir a cabeça e ver que o mundo é maior que seu mundinho pessoal. Procurar conhecer as histórias das outras pessoas é um bom começo. Ver que os outros também sofrem, que há pessoas no mundo que nem sequer conhecem a vida como nós a conhecemos. Até mesmo filmes e biografias podem ajudar, dando exemplos de vidas alheias para tirar a pessoa de seu casulo. Ouvir mais os outros também é de grande valia, tentar perceber que as pessoas fazem as coisas por seus próprios motivos.

3. Não sinta pena de si mesmo

As duas situações anteriores nos trazem para uma condição autoperpetuadora que trava o progresso pessoal e instala as raízes de condições sérias como a depressão.

A pessoa que tem pena de si mesma acha que a situação dela é diferente – por isso é que ela nunca conseguiu (ou nunca consegue) superá-la; ela também se acha o centro do universo, tudo conspira contra ela, as pessoas fazem as coisas porque não gostam dela, ela se vê como uma pobre vítima.

Com frequência, essas pessoas lançam mão de argumentos do tipo:qualquer pessoa na minha situação reagiria da mesma forma. Esse é um erro, muito comum, mas muito sério, principalmente porque é uma ideia que parte do princípio de que existem reações obrigatórias para cada problema. Uma das frases mais comuns na boca dessas pessoas é: o que você queria que eu fizesse?, como se a ação a qual ela está tentando se desculpar fosse obrigatória como resposta ao que lhe aconteceu.

A autopiedade, como é chamada a “pena de si mesmo”, destrói a autoestima e a autoconfiança, ao colocar a pessoa em uma condição inferior às outras.

A frustracão é apenas um reflexo desse processo. Ela nasce quando a pessoa já largou a toalha e desistiu de tentar solucionar um problema, quando ela se volta contra o “causador” do obstáculo, mesmo que seja algo inanimado como tecnologia, e fica triste, se sentindo derrotada.

4. Ajuste suas expectativas

Perfeccionismo é a rota mais certeira para o fracasso. Expectativa irreal é o caminho mais garantido para a depressão.

Em muitos casos, a frustração e a desmotivação surgem porque a pessoa vê que a vida não está se desenrolando como ela gostaria, mas ela nunca se dá o trabalho de refletir sobre essas expectativas.

Às vezes, é muito bom que a vida não esteja acontecendo como queremos! Nossas expectativas podem ser frutos de sonhos e fantasias que construímos em tempos pretéritos – quando éramos diferentes – e que há muito tempo não são atualizadas.

Ao longo da minha vida, eu me dei conta de que foi muito bom que certas coisas que um dia eu quis, nunca aconteceram.

Nós associamos nossas expectativas com felicidade. O psicólogo de Harvard, Daniel Gilbert, afirma que nós não sabemos o que nos fará felizes e que geralmente nossos palpites a esse respeito estão errados. Quando botamos muita fé em uma ideia e desejamos aquilo justamente porque achamos que a realização nos fará felizes, estamos nutrindo a condição perfeita para um estado de depressão (quando conseguimos o que desejamos, mas percebemos que a felicidade “não veio junto”).

Meu livro, Um sentido para a vida, discorre bastante sobre este tema, sobre o quanto precisamos desassociar nossos planos da ideia de felicidade para construirmos uma vida realmente satisfatória e plena.

Se você se encaixa neste perfil, ou seja, se você se sente frustrado e desmotivado porque a vida não está indo do jeito que você quer, pense bem nos motivos de você querer uma vida diferente. O que exatamente você quer que mude?

Veja que você pode estar certo. Nem sempre nossas expectativas são irreais, mas é necessário colocar reflexão em cima e pensar bem sobre porque queremos aquilo. As maiores decepções decorrem dos sonhos “mal pensados”, aquelas coisas que “queremos porque queremos”, sem um motivo muito claro e racionalizado e principalmente, quando achamos que se conquistarmos X ou Y, seremos felizes – esta sim é a maior de todas as armadilhas!

5. Valorize as pequenas vitórias

Quando mantemos nossos olhos focados no prêmio maior, deixamos de notar nossos avanços ao longo do caminho. Quando eu comecei a aprender piano, eu costumava ouvir gravações de pianistas famosos tocando concertos e estudos dificílimos. Eu me sentia desmotivada, porque dia após dia eu simplesmente não conseguia reproduzir um trecho sequer das músicas que eu gostava. Eu não percebia que diariamente eu apresentava uma evolução, eu não notava porque estava tão triste por ser uma pianista tão “ruim” que muitas vezes cheguei a desistir. Ao longo dos anos, eu comecei e parei inúmeras vezes até que resolvi levar a sério, então já adulta. Eu peguei um caderno e diariamente eu anotava detalhadamente tudo o que fazia, os exercícios, as escalas, as músicas, comentava os erros, o nível, o progresso. Foi quando eu comecei a notar que realmente havia uma evolução literalmente diária – todos os dias eu conseguia tocar melhor as mesmas músicas do que eu as havia tocado no dia anterior. Eu ainda levei anos para conseguir tocar minhas peças favoritas, mas ser capaz de visualizar minha progressão gravada no papel, dia após dia, fez toda a diferença.

Durante este período, ao invés de tentar logo de cara tirar músicas acima do meu nível, como eu costumava fazer, eu comecei do zero, com peças desde o nível 1, como se fosse iniciante. A cada nova música conquistada, por mais fácil que fosse, eu me sentia realizada e motivada. Usava essa energia para progredir gradualmente para trabalhos mais complexos até chegar onde eu desejava ter chegado instantaneamente quando comecei a tocar aos 7 anos de idade.

O fato de conseguirmos ver o final do caminho, ou seja, a meta magna, onde queremos chegar, não deve nos desmotivar com as etapas que devemos percorrer até chegarmos lá.

Chega a ser um clichê, mas precisamos curtir o caminho, mesmo sabendo que o objetivo é chegarmos a um ponto X. A melhor forma de fazer isso é quebrar a meta em “metinhas” menores, vendo cada pequeno êxito como uma vitória em si. Dessa forma, não só nós percebemos que realmente estamos progredindo, mas tornamos a jornada mais interessante e prazerosa.

6. Seja criativo

Muitas vezes nos frustramos porque não conseguimos resolver problemas do jeito que sempre fizemos – ou simplesmente não temos a menor ideia de como “se resolve” aquele tipo de problema específico que estamos encontrando naquele dia.

Manter a calma e simplesmente começar a fazer um brainstorm de todas as opções possíveis deve ser sempre a primeira opção. A impressora não imprime? Ok, quais são todas as opções de problemas que poderiam fazer uma “impressora não imprimir”? Está ligada na tomada? Ok, está. Está ligada no computador? Ok, está. O computador tem o software para se comunicar com a impressora? E assim por diante. Quando não sabemos nada sobre o tal problema, procuramos no Google. A internet está aí pra isso.

Esse processo de tentativa de solução de problemas exige criatividade. A pessoa sem criatividade não consegue pensar em nenhuma alternativa que ela já não conheça. Essa falta de criatividade engessa a pessoa de várias maneiras, não só com os comuns problemas com tecnologia que todos nós encontramos diariamente. Nossas metas nem sempre podem ser conquistadas em uma linha reta. A criatividade é necessária para sugerir opções quando o que pensamos que poderíamos fazer não dá certo. O resultado da falta de criatividade é a frustração. A pessoa tenta fazer o que sabe, não dá certo e ela não sabe mais o que fazer. Resultado: ela fica emburrada.

Tem um ditado clássico que diz que tentar atingir um resultado diferente fazendo as coisas do mesmo jeito é insanidade. A falta de criatividade leva a pessoa a travar na mesma tentativa incessantemente. Ela tenta, tenta, tenta, sempre do mesmo jeito e se frustra quando continuamente não consegue o resultado desejado.

A criatividade tem muito a ver com raciocínio lógico e isso surpreende muitas pessoas que acham que a criatividade está ligada ao lado direito do cérebro e tem a ver com artes e improviso. Tem, mas isso não quer dizer que o lado “racional” do cérebro não é usado no processo criativo! Criatividade é basicamente a capacidade de criar ou tentar uma opção que não foi anteriormente aprendida. O raciocínio lógico ajuda a pessoa com o tal brainstorm que ela precisa fazer para levantar todas as opções de solução de um problema, incluindo opções que ela nunca testou ou que nunca ouviu falar. Ao pensar sobre o problema, ela o entende na hora e sua mente produz um rol de ideias a serem testadas como hipóteses de possíveis soluções, mesmo que ela nunca tenha se deparado com aquele problema específico antes. É nessas situações que entra a arte do improviso, mesmo que embasada em um raciocínio puramente lógico!

7. Pare de reclamar e simplesmente faça o que tem que ser feito

Esse é um dos grandes segredos da disciplina. Às vezes não estamos com vontade de fazer as coisas, mas a pessoa disciplinada vai e faz mesmo assim. Um dos maiores erros que as pessoas pouco produtivas cometem é esperar se sentirem bem para fazerem o que precisam. Esperam motivação, esperam inspiração, esperam sentir vontade.

Como escritora e pianista, duas coisas que exigem tremenda disciplina, eu posso afirmar que nem sempre dá vontade de fazer o que precisa ser feito. Às vezes a vontade é simplesmente não fazer nada, às vezes a vontade é fazer alguma outra coisa – algo que não precisa ser feito naquele momento. No artigo anterior, falamos sobre o hedonismo, aquela tendência de só querer fazer o que dá vontade, de só querer ser feliz e sentir prazer. É isso o que destrói a disciplina e quem cede ao hedonismo com muita frequência, geralmente não consegue conquistar nada na vida, pois tudo exige algum tipo de dedicação e isso envolve fazer as coisas quando não estamos a fim.

A reclamação tem um efeito inibidor da ação pois funciona como uma justificativa que explica o motivo de você não poder fazer nada, quando na realidade, você poderia estar fazendo alguma coisa. Quando existem obstáculos reais que dificultam a ação, pense “fora da caixa”, trabalhe em outros aspectos das suas metas, invista no aprimoramento pessoal, mas FAÇA alguma coisa!

Disciplina é um hábito. Ninguém nasce disciplinado. Isso significa que todo mundo pode aprender. A disciplina começa com o esforço pessoal de lutar contra a inércia e a própria vontade e fazer o que precisa ser feito. Aí entram também planejamento, para saber exatamente o que precisa ser feito, sem confusão e dispersão, auto-organização para não se perder em meio a mil e uma coisas e um senso estoico, para pisar na vontade pessoal – quando esta é contrária ao planejado – se manter firme e forte fazendo o que precisa ser feito, sem pestanejar e sem reclamar. Isso não é fácil, nem um pouco! Mas é para os poucos que construirão vidas bem sucedidas.

Texto de: 

Procon-RJ encontra vacinas vencidas em vistoria em clínicas do Rio

Ao todo, 16 clínicas das Zonas Norte, Sul e Oeste do Rio foram vistoriadas.

Treze foram autuadas por diversas irregularidades.

 Do G1 Rio
Procon-RJ vistoriou 16 clínicas de vacinação das Zonas Norte, Sul e Oeste do Rio (Foto: Divulgação/Procon RJ)Procon-RJ vistoriou 16 clínicas de vacinação das Zonas Norte, Sul e Oeste do Rio (Foto: Divulgação/Procon RJ)

 

O Procon Estadual iniciou nesta segunda-feira (2) a Operação Anticorpos, que tem o objetivo de fiscalizar clínicas de vacinação. Os fiscais vistoriaram 16 clínicas das Zonas Norte, Sul e Oeste do Rio. Dessas, 13 foram autuadas por diversas irregularidades, como licença sanitária e vacinas fora do prazo (veja o balanço final abaixo).

Em uma clínica na Barra da Tijuca, Zona Oeste, os fiscais encontraram duas vacinas vencidas. Em outra, no Shopping Downtown, também na Barra, havia quatro frascos de vacinas manipuladas, contendo cinco doses cada um, sem especificação do seu prazo de validade.

Treze clínicas de vacinação foram autuadas por diversas irregularidades (Foto: Divulgação/Procon RJ)
Treze clínicas de vacinação foram autuadas por
diversas irregularidades (Foto: Divulgação/
Procon RJ)

Em quatro clínicas autuadas, no calendário de vacinação exposto ao público não havia a informação de que as vacinas que nele constam são administradas gratuitamente nos postos de saúde públicos.

Outras duas clínicas não disponibilizavam o calendário de vacinação em local visível, como é determinado pela Portaria Conjunta n° 001/2000 da Agência Nacional de Vilância Sanitária (Anvisa) e da Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

Foi dado pelos fiscais um prazo de 48 horas para que as oito clínicas autuadas pela ausência de licença sanitária apresentarem o documento ao Procon Estadual: Vaxx, de Pilares; as filiais da Kinder do Leblon, Shopping Downtown e da Tijuca; as filiais da Vaccini da Barra da Tijuca e do Méier; Neovacinas, de Botafogo; e Prophylaxis, da Tijuca. Caso isto não ocorra, elas serão interditadas.

Não foram encontradas irregularidades nas seguintes clínicas: as filiais da Vaccini, do Largo do Machado e de Botafogo; e Kinder, de Ipanema. O Procon Estadual também alerta aos consumidores para que verifiquem se as vacinas estão dentro do prazo de validade antes que sejam aplicadas.

Balanço da Operação Anticorpos
1 – Prevcenter (Av. Das Américas, 3255, sl 252 – Barra da Tijuca): Ausência do CDC para consulta. Ausência do Livro de Reclamações. Ausência do cartaz do Disque 151. Duas vacinas pneumocócica 13 valente vencidas, uma em 07/13 e outra em 04/14, sendo que uma delas não continha líquido.

2 – Vaxx (Av. Dom Helder Câmara, 6548 – Pilares):Ausência do CDC para consulta. Ausência de cartaz do Disque 151. Ausência do Livro de Reclamações. Licença Sanitária vencida, prazo de 48h para apresentação sob pena de interdição.

3 – Kinder (Av. Ataulfo de Paiva, 135 – Leblon): Ausência de CDC para consulta. Ausência do Disque 151. Prazo de 48h para apresentar o alvará de licença sanitária. Não há informação no calendário de vacinação de que as vacinas nele constantes são administradas gratuitamente nos postos de saúde públicos.
4 – Prophylaxis (Botafogo): Ausência de CDC para consulta. Ausência de Livro de Reclamações. Ausência do cartaz do Disque 151.

5 – Vaccini (Av. Armando Lombardi 1000, blc 1, loja 107 – Barra da Tijuca): Ausência de CDC para consulta. Ausência do cartaz do Disque 151. O calendário de vacinação afixado não apresenta em destaque as vacinas que são administradas no serviço publico de saúde. Não foi apresentada a licença sanitária válida, prazo de 48 h para apresentação de licença sanitária adequada.

6 – Vaccini (Rua Dias da Cruz, 215 SS 101 – Méier): Ausência do Livro de Reclamações. Calendário de vacinação afixado não apresenta em destaque que as vacinas são administradas gratuitamente no serviço publico de saúde. Não foi apresentada licença sanitária valida, prazo de 48 h para apresentação sob pena de interdição.

7 – Neovacinas (Rua Real Grandeza, 139 – Botafogo): Ausência de preço das vacinas. Ausência do Livro de Reclamações. Não dispõe o calendário de vacinação em local visível. Licença vencida em 9/01/2015. Dado prazo de 48 h para apresentação sob de interdição.

8 – Kinder (Rua Conde de Bonfim, 255 lj 101 – Tijuca): Calendário de vacinação afixado não apresenta em destaque que as vacinas são administradas gratuitamente no serviço público de saúde. Não foi apresentada licença sanitária válida, prazo de 48 h para apresentação sob pena de Interdição.

9 – Kinder (Shopping Downtown): Apenas o protocolo de revalidação da autorização da vigilância sanitária. Prazo de 48h para apresentação da autorização sob pena de interdição. Havia quatro frascos de vacinas manipuladas, contendo cinco doses cada um, sem especificação de validade. Ausência do CDC para consulta.

10 – Vaccini (Rua Barata Ribeiro, 370 Copacabana): Duas reclamações registradas no Livro de Reclamações não enviadas dentro do prazo. Havia um extintor vencido em janeiro de 2015.

11 – Prophylaxis (Av. das Américas, 6700 – Barra da Tijuca): Ausência do Livro de Reclamações. Ausência do cartaz do Disque 151.

12 – Prophylaxis (Praça Saens Pena, 45 sala 704 – Tijuca): Calendário de vacinação afixado não apresenta em destaque que as vacinas são administradas gratuitamente no serviço público de saúde. Não foi apresentada licença sanitária válida, prazo de 48 h para apresentação sob pena de Interdição. Ausência do cartaz do Disque151. Ausência do CDC para consulta. Ausência do Livro de Reclamações.

13 – Prevcenter (Rua Siqueira Campos, 93 – Copacabana): Ausência do CDC para consulta. Ausência do Livro de Reclamações.

Isso é muito sério e irresponsável.

Verifiquem sempre a data de validade ao receber a vacina.

Existem algumas clínicas especializadas que já tem o procedimento padrão de apresentar a caixa, mostrar o tipo de vacina, o nome da vacina, a data de validade e o lote e só abre na frente do cliente e este é um método utilizado pela clínica de vacinas especializada Vaccine Care.

Vaccine Care – Clínica Médica e de Vacinas – Unidade Barra da Tijuca

Avenida das Américas, 7.607, loja 228 – Shopping Novo Leblon – Barra da Tijuca

Rio de Janeiro – RJ

Tel.: (21) 3081-2757

Procon-RJ encontra vacinas vencidas em vistoria em clínicas do Rio

Ao todo, 16 clínicas das Zonas Norte, Sul e Oeste do Rio foram vistoriadas.

Treze foram autuadas por diversas irregularidades.

 Do G1 Rio
Procon-RJ vistoriou 16 clínicas de vacinação das Zonas Norte, Sul e Oeste do Rio (Foto: Divulgação/Procon RJ)Procon-RJ vistoriou 16 clínicas de vacinação das Zonas Norte, Sul e Oeste do Rio (Foto: Divulgação/Procon RJ)

O Procon Estadual iniciou nesta segunda-feira (2) a Operação Anticorpos, que tem o objetivo de fiscalizar clínicas de vacinação. Os fiscais vistoriaram 16 clínicas das Zonas Norte, Sul e Oeste do Rio. Dessas, 13 foram autuadas por diversas irregularidades, como licença sanitária e vacinas fora do prazo (veja o balanço final abaixo).

Em uma clínica na Barra da Tijuca, Zona Oeste, os fiscais encontraram duas vacinas vencidas. Em outra, no Shopping Downtown, também na Barra, havia quatro frascos de vacinas manipuladas, contendo cinco doses cada um, sem especificação do seu prazo de validade.

Treze clínicas de vacinação foram autuadas por diversas irregularidades (Foto: Divulgação/Procon RJ)
Treze clínicas de vacinação foram autuadas por
diversas irregularidades (Foto: Divulgação/
Procon RJ)

Em quatro clínicas autuadas, no calendário de vacinação exposto ao público não havia a informação de que as vacinas que nele constam são administradas gratuitamente nos postos de saúde públicos.

Outras duas clínicas não disponibilizavam o calendário de vacinação em local visível, como é determinado pela Portaria Conjunta n° 001/2000 da Agência Nacional de Vilância Sanitária (Anvisa) e da Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

Foi dado pelos fiscais um prazo de 48 horas para que as oito clínicas autuadas pela ausência de licença sanitária apresentarem o documento ao Procon Estadual: Vaxx, de Pilares; as filiais da Kinder do Leblon, Shopping Downtown e da Tijuca; as filiais da Vaccini da Barra da Tijuca e do Méier; Neovacinas, de Botafogo; e Prophylaxis, da Tijuca. Caso isto não ocorra, elas serão interditadas.

Não foram encontradas irregularidades nas seguintes clínicas: as filiais da Vaccini, do Largo do Machado e de Botafogo; e Kinder, de Ipanema. O Procon Estadual também alerta aos consumidores para que verifiquem se as vacinas estão dentro do prazo de validade antes que sejam aplicadas.

Balanço da Operação Anticorpos
1 – Prevcenter (Av. Das Américas, 3255, sl 252 – Barra da Tijuca): Ausência do CDC para consulta. Ausência do Livro de Reclamações. Ausência do cartaz do Disque 151. Duas vacinas pneumocócica 13 valente vencidas, uma em 07/13 e outra em 04/14, sendo que uma delas não continha líquido.

2 – Vaxx (Av. Dom Helder Câmara, 6548 – Pilares):Ausência do CDC para consulta. Ausência de cartaz do Disque 151. Ausência do Livro de Reclamações. Licença Sanitária vencida, prazo de 48h para apresentação sob pena de interdição.

3 – Kinder (Av. Ataulfo de Paiva, 135 – Leblon): Ausência de CDC para consulta. Ausência do Disque 151. Prazo de 48h para apresentar o alvará de licença sanitária. Não há informação no calendário de vacinação de que as vacinas nele constantes são administradas gratuitamente nos postos de saúde públicos.
4 – Prophylaxis (Botafogo): Ausência de CDC para consulta. Ausência de Livro de Reclamações. Ausência do cartaz do Disque 151.

5 – Vaccini (Av. Armando Lombardi 1000, blc 1, loja 107 – Barra da Tijuca): Ausência de CDC para consulta. Ausência do cartaz do Disque 151. O calendário de vacinação afixado não apresenta em destaque as vacinas que são administradas no serviço publico de saúde. Não foi apresentada a licença sanitária válida, prazo de 48 h para apresentação de licença sanitária adequada.

6 – Vaccini (Rua Dias da Cruz, 215 SS 101 – Méier): Ausência do Livro de Reclamações. Calendário de vacinação afixado não apresenta em destaque que as vacinas são administradas gratuitamente no serviço publico de saúde. Não foi apresentada licença sanitária valida, prazo de 48 h para apresentação sob pena de interdição.

7 – Neovacinas (Rua Real Grandeza, 139 – Botafogo): Ausência de preço das vacinas. Ausência do Livro de Reclamações. Não dispõe o calendário de vacinação em local visível. Licença vencida em 9/01/2015. Dado prazo de 48 h para apresentação sob de interdição.

8 – Kinder (Rua Conde de Bonfim, 255 lj 101 – Tijuca): Calendário de vacinação afixado não apresenta em destaque que as vacinas são administradas gratuitamente no serviço público de saúde. Não foi apresentada licença sanitária válida, prazo de 48 h para apresentação sob pena de Interdição.

9 – Kinder (Shopping Downtown): Apenas o protocolo de revalidação da autorização da vigilância sanitária. Prazo de 48h para apresentação da autorização sob pena de interdição. Havia quatro frascos de vacinas manipuladas, contendo cinco doses cada um, sem especificação de validade. Ausência do CDC para consulta.

10 – Vaccini (Rua Barata Ribeiro, 370 Copacabana): Duas reclamações registradas no Livro de Reclamações não enviadas dentro do prazo. Havia um extintor vencido em janeiro de 2015.

11 – Prophylaxis (Av. das Américas, 6700 – Barra da Tijuca): Ausência do Livro de Reclamações. Ausência do cartaz do Disque 151.

12 – Prophylaxis (Praça Saens Pena, 45 sala 704 – Tijuca): Calendário de vacinação afixado não apresenta em destaque que as vacinas são administradas gratuitamente no serviço público de saúde. Não foi apresentada licença sanitária válida, prazo de 48 h para apresentação sob pena de Interdição. Ausência do cartaz do Disque151. Ausência do CDC para consulta. Ausência do Livro de Reclamações.

13 – Prevcenter (Rua Siqueira Campos, 93 – Copacabana): Ausência do CDC para consulta. Ausência do Livro de Reclamações.

Isso é muito sério e irresponsável.

Verifiquem sempre a data de validade ao receber a vacina.

Existem algumas clínicas especializadas que já tem o procedimento padrão de apresentar a caixa, mostrar o tipo de vacina, o nome da vacina, a data de validade e o lote e só abre na frente do cliente e este é um método utilizado pela clínica de vacinas especializada Vaccine Care.

Artigo: O que aconteceu comigo quando tentei ficar 1 semana sem reclamar

image

O que aconteceu comigo quando tentei ficar 1 semana sem reclamar

http://www.hypeness.com.br/2015/01/o-que-aconteceu-comigo-quando-tentei-ficar-1-semana-sem-reclamar/

Mizuno surpreende garis

Coletores de lixo são verdadeiros maratonistas do dia a dia. Percorrem seguramente mais de 20 quilômetros sem nem perceber.

A Mizuno preparou para esses “atletas invisíveis” uma homenagem no final de 2014.

Na semana do Natal, a marca acompanhou a rotina desse time pelas ruas de São Paulo. Foram 40 horas de gravação e pesquisas, ruas percorridas e muito lixo coletado para entender como funciona a engrenagem dos coletores.

O resultado desse projeto é um mini-documentário chamado “Invisible Runners“.

mizuno-garis

Na ação, criada pela F/Nazca Saatchi & Saatchi, a marca surpreendeu esses ‘atletas’, que correm por trabalho mas também por prazer e bem-estar, e doou centenas de pares de tênis para esses jovens que passam todos os dias, inclusive a noite de Natal, correndo pelas ruas da cidade.

Assista ao vídeo:

Oito vacinas que os adultos precisam tomar

Oito vacinas que os adultos precisam tomar

Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos negligenciam as campanhas de vacinação. Em todas as fases de nossa vida, porém, estamos suscetíveis a infecções por vírus e bactérias que, se não tratadas, podem causar muitos problemas.

As doenças crônicas que se manifestam mais na vida adulta são fortes indicadores de que o individuo precisa se vacinar. “As pessoas que estão em grupos de risco, como as pessoas com mais de 60 anos ou aquelas que têm doenças crônicas, devem sempre estar informadas sobre a vacinação”, diz o infectologista Paulo Olzon, da Unifesp.

Existem vacinas tanto para bactérias como para vírus. “No primeiro caso, a vacinação é feita para controlar surtos epidemiológicos e, para o caso dos vírus, a imunização normalmente dura a vida toda, sendo necessárias apenas algumas doses de reforço para garantir que a doença não vai mais voltar”, diz Paulo Olzon. Confira oito tipos que merecem estar na sua carteira de vacinação.

Vacina dupla tipo adulto – para difteria e tétano

A difteria é causada por uma bactéria, que é contraída pelo contato com secreções de pessoas infectadas. Ela afeta o sistema respiratório, causa febres e dores de cabeça, em casos graves, pode evoluir para uma inflamação no coração.

A toxina da bactéria causadora do tétano compromete os músculos e leva a espasmos involuntários. A musculatura respiratória é uma das mais comprometidas pelo tétano. Se a doença não for tratada precocemente, pode haver uma parada respiratória devido ao comprometimento do diafragma, músculo responsável por boa parte da respiração, levando a morte. Ferir o pé com prego enferrujado que está no chão é uma das formas mais conhecidas do contágio do tétano.

A primeira parte da vacinação contra difteria e tétano é feita em três doses, com intervalo de dois meses. Geralmente, essas três doses são tomadas na infância. Então confira a sua carteira de vacinação para certificar-se se a vacinação está em ordem. Depois delas, o reforço deve ser feito a cada dez anos para que a imunização continue eficaz. É nesse momento que os adultos cometem um erro, deixando a vacina de lado.

Vacina Tríplice-viral – para sarampo, caxumba e rubéola

Causado por um vírus, o sarampo é caracterizado por manchas vermelhas no corpo. A transmissão ocorre por via respiratória. De acordo com dados do Ministério da Saúde, a mortalidade entre crianças saudáveis é mínima, ficando abaixo de 0,2% dos casos. Nos adultos, essa doença é pouco observada, mas como a forma de contágio é simples, os adultos devem ser imunizados para proteger as crianças com quem convivem.

Conhecida por deixar o pescoço inchado, a caxumba também tem transmissão por via respiratória. Mesmo que seja mais comum em crianças, a caxumba apresenta casos mais graves em adultos, podendo causar meningite, encefalite, surdez, inflamação nos testículos ou dos ovários, e mais raramente no pâncreas.

Já a rubéola é caracterizada pelo aumento dos gânglios do pescoço e por manchas avermelhadas na pele, é mais perigosa para gestantes. O vírus pode levar à síndrome da rubéola congênita, que prejudica a formação do bebê nos três primeiros meses de gravidez. A síndrome causa surdez, má-formação cardíaca, catarata e atraso no desenvolvimento.

O adulto deve tomar a tríplice-viral se ainda não tiver recebido as duas doses recomendadas para a imunização completa quando era criança e se tiver nascido depois de 1960. O Ministério da Saúde considera que as pessoas que nasceram antes dessa data já tiveram essas doenças e estão imunizados, ou já foram vacinados anteriormente.

Mesmo que todos com essas características devam ser vacinados, as mulheres que pretendem ter filhos, que não foram imunizadas ou nunca tiveram rubéola devem tomar a vacina um mês antes de engravidar, já que a rubéola é bastante perigosa quando acomete gestantes, podendo causar deformidade no feto.

Vacina contra a hepatite B

A Hepatite B é transmitida pelo sangue, e em geral não apresenta sintomas. Alguns pacientes se curam naturalmente sem mesmo perceber que tem a doença. Em outros, a doença pode se tornar crônica, levando a lesões do fígado que podem evoluir para a cirrose. “A imunização contra essa doença é importante, pois ela pode causar problemas sérios, como câncer no fígado”, diz Paulo Olzon.

De acordo com o especialista, há algumas décadas, o tipo B da hepatite era o mais encontrado, já que ela pode ser transmitida através da relação sexual e as pessoas não tomavam cuidado com a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis. Depois de uma campanha de vacinação e imunização, e da classificação da hepatite C pelos médicos, ela não pode ser vista como epidemia, mas ainda é preciso tomar cuidado com essa doença.

Até os 24 anos, todas as pessoas podem tomar a vacina contra hepatite B, gratuitamente, em qualquer posto de saúde. A aplicação da vacina também continua de graça, quando o adulto faz parte de um grupo de risco. “Pessoas que tenham contato com sangue, como profissionais de saúde, podólogos, manicures, tatuadores e bombeiros, ou que tenham relacionamentos íntimos com portador da doença são as mais expostas a essa doença”, diz o especialista. Fora isso, qualquer adulto pode encontrar a vacina em clínicas particulares.

Pneumo 23 – Pneumonia

O pneumococo, bactéria que pode causar a pneumonia, entre outras doenças, pode atacar pessoas de todas as idades, principalmente indivíduos com mais de 60 anos. “Pessoas com essa idade não podem deixar de tomar a vacina pneumo 23”, diz Paulo Olzon.

A pneumonia é o nome dado a inflamação nos pulmões causada por agentes infecciosos (bactérias, vírus, fungos e reações alérgicas). Entre os principais sintomas dessa inflamação dos pulmões, estão febre alta, suor intenso, calafrios, falta de ar, dor no peito e tosse com catarro. Adultos com doenças crônicas em órgãos como pulmão e coração -alvos mais fáceis para o pneumococo, devem tomar essa vacina sempre que há uma campanha de vacinação.

Mesmo que ela seja uma das vacinas mais importantes para ser tomadas é a única vacina do calendário que não é oferecida em postos de saúde. É preciso ir a um Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais.

Vacina contra a febre amarela

A febre amarela é transmitida pelo mesmo mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti. A doença tem como principais sintomas febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia (pele e olhos amarelados) e hemorragias. “Se a febre amarela não for tratada, pode levar a morte”, explica o especialista.

Por ser uma doença grave, e com alto índice de mortalidade, todas as pessoas que moram em locais de risco devem tomar a vacina a cada dez anos, durante toda a vida. Quem for para uma dessas regiões precisa ser vacinado pelo menos dez dias antes da viagem. No Brasil, as áreas de risco são: zonas rurais no Norte e no Centro-Oeste do país e alguns municípios dos Estados do Maranhão, do Piauí, da Bahia, de Minas Gerais, de São Paulo, do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

Mesmo que os efeitos colaterais mais sérios sejam muito raros, a vacina contra febre amarela deve ficar restrita aqueles indivíduos que moram ou irão viajar para algum lugar de risco. “Nesse sentido, a preocupação dos médicos está relacionada ao risco de reação alérgica grave ou anafilática, que pode levar a morte os pacientes propensos”, explica o infectologista Paulo Olzon.

Vacina contra o influenza (gripe)

A vacina contra gripe deve estar na rotina de quem está com mais de 60 anos. “Muitas pessoas deixam de tomá-la com medo da reação que ela pode causar, mas isso é um mito, já que a suposta reação do corpo não tem nada a ver com a vacina, e sim com a própria gripe”, diz o especialista. “Isso porque o vírus da gripe fica semanas em nosso corpo sem se manifestar e a proteção da vacina não é imediata como as pessoas imaginam.”

A gripe é transmitida por via respiratória, leva a dores musculares e a febres altas. Seu ciclo costuma ser de uma semana. Pessoas com mais de 60 anos podem tomar a vacina nos postos de saúde, enquanto os mais jovens podem ser vacinados em clínicas particulares. “Os idosos que não querem esperar até a campanha anual de vacinação contra a gripe podem tomar a vacina em clínicas particulares em todas as épocas do ano”, diz Paulo Olzon.

HPV

A vacina existe tanto para homens quanto para mulheres e previne os quatros principais tipos do Papilomavírus Humano – o HPV. Segundo o Ministério da Saúde, 137 mil novos casos de HPV são registrados por ano no Brasil. O vírus, transmitido durante a relação sexual, é responsável por 90% dos casos de câncer de colo do útero, além de provocar tumores de vulva, pênis, boca, ânus e pele.

Apesar de existir a vacina bivalente, que protege dos tipos 16 e 18 de HPV e só é aplicada em mulheres, a quadrivalente é a mais indicada, pois protege desses dois tipos citados mais os tipos 6 e 11 e também serve para os homens. “A quadrivalente deve ser tomada em três doses, sendo a segunda dose após 30 dias da primeira e a terceira, seis meses depois da segunda”, afirma o ginecologista Amadeu Carvalho Júnior, da Amhpla Cooperativa de Assistência Médica.

A Anvisa recomenda a vacinação em pessoas dos nove aos 26 anos – em especial para aquelas que ainda não iniciaram sua vida sexual, para garantir maior eficácia na proteção. Vale lembrar, no entanto, que a vacina não dispensa o uso de preservativos na relação. “O HPV possui mais de 100 tipos diferentes e a vacina protege apenas de alguns deles”, explica o ginecologista Amadeu.

Vacina para Herpes Zóster

Herpes zoster é uma infecção viral que provoca vesículas na pele e geralmente é acompanhada de dor intensa. É causado pelo vírus varicela-zoster – o mesmo agente da catapora – e acomete pessoas que tiveram catapora em algum momento da vida e ficaram com vírus latente (adormecido) em gânglios do corpo. Anos mais tarde, esse vírus pode reativar na forma de herpes zóster.

Embora não seja uma condição de risco de vida, o herpes zóster pode ser muito doloroso. Um estudo realizado no Brasil revelou que aproximadamente 95% dos adultos já foram expostos ao vírus do herpes zóster. Como o vírus fica latente durante muitos anos, a doença é mais comum em idosos e pessoas acima dos 50 anos.

A vacina é administrada em esquema de dose única, via subcutânea, preferencialmente no braço. “A vacina é indicada para pessoas a partir de 50 anos de idade na prevenção não só da doença, mas também da neuralgia pós-herpética”, afirma Renato Kfouri, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm). A neuralgia pós-herpética se caracteriza por uma dor e queimação no local em que o herpes zóster ocorreu, sendo a complicação mais comum da doença. De acordo com Renato, a vacina também ajuda na redução da dor aguda e crônica associada ao Zóster.

A vacina ainda não é distribuída em postos de saúde. Se você tem mais de 50 anos e já foi exposto ao vírus da varicela, converse com seu médico ou médica para entender a necessidade de se vacinar para herpes zóster.

Vacine-se na Vaccine Care – Brasília – Petrópolis – Barra da Tijuca – Paracatu

Fonte: Site Vaccine Care

Palestra gratuita aborda diferenças entre alergias e intolerância alimentar

São Paulo, 19 de novembro – O Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos realiza, no dia 26 de novembro, às 15h, no Centro de Convenções da instituição, palestra gratuita aberta ao público sobre “Alergia e Intolerância Alimentar”, ministrada pela alergologista Yara Mello e pela nutricionista Dyaiane Marques dos Santos.  

As especialistas irão abordar as diferenças entre alergia e intolerância, além de explicarem ‘como o processo de intolerância se instala em crianças e adultos’, ‘como podem ser as manifestações alérgicas’ e ‘quais restrições e opções de alimentos, a partir do diagnóstico das doenças’, entre outros assuntos relacionados.  

No final da palestra, o público presente poderá tirar dúvidas com as especialistas. Já os internautas poderão assistir por meio do link: http://www.hotconference.com/conference,pt,32246144. Via Facebook , é possível interagir com as palestrantes, enviando perguntas e comentários. Estudantes da área de saúde que participarem pessoalmente da palestra receberão certificado. A instituição irá enviar o certificado para o e-mail de cada participante que solicitar o documento.  

A ação faz parte do programa Bem Viver do hospital, que realiza atividades como exposição cultural, palestras, apresentações de coral e outras campanhas voltadas ao incentivo de hábitos saudáveis e qualidade de vida. 

 Serviço  

“Alergias e Intolerância Alimentar” 

Dia 26 de novembro, às 15 horas.  

No Centro de Convenções do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos. 

Rua Borges Lagoa, 1.450 – Vila Clementino, São Paulo/SP 

Mais informações e inscrições: (11) 5080-4127 e (11) 5080-4351 

Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos 

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 780 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 205 mil consultas ambulatoriais, 140 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,3 milhão de exames. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o Prêmio 100 Melhores Empresas para Trabalhar Brasil, conquistado pelo segundo ano consecutivo. 

Rua Borges Lagoa, 1.450 – Vila Clementino, zona sul de São Paulo.  

Tel. (11) 5080-4000 

Site: www.hpev.com.br 

Facebook: www.facebook.com/ComplexoHospitalarEV 

Twitter: www.twitter.com/Hospital_EV 

YouTube: www.youtube.com/user/HospitalEV 

  

Malária: testes da vacina tem resultados iniciais promissores

mosquito2

Vacina experimental oferece proteção inédita contra malária

Um novo tipo de vacina contra a malária que imita os efeitos das picadas do mosquito demonstrou resultados iniciais promissores, ao fornecer uma proteção total a uma dúzia de voluntários humanos, anunciaram cientistas esta quinta-feira.

A vacina PfSPZ, do laboratório Sanaria, com sede em Maryland, contém parasitas vivos e é complicada de ser feita porque exige que os cientistas dissequem as glândulas salivares dos mosquitos para alcançar os parasitas Plasmodium, que causam malária.

Estes esporozoários depois são enfraquecidos de forma a não causarem a doença e incorporados a uma vacina que precisa ser injetada várias vezes na circulação do indivíduo, sendo que as aplicações são feitas com um mês de intervalo entre elas.

Um teste com a mesma vacina, dois anos atrás, administrada na pele dos pacientes, forma como é aplicada a maioria das vacinas, imunizou apenas 44 voluntários.

Mas o último teste demonstrou que injetar a vacina na corrente sanguínea garantiu proteção contra a malária nos seis voluntários que receberam cinco injeções com a dosagem mais alta, segundo resultados publicados na revista científica americana Science.

Veja a matéria completa no link abaixo:

http://www.vaccinecare.com.br/?module=site&page=content&materia=malaria-testes-da-vacina-tem-resultados-iniciais-promissores

 

FURO DE ORELHA SEGURO EM BEBES, ADOLESCENTES E ADULTOS

Furo de orelha em bebês: Novo serviço oferecido com a segurança da Vaccine Care.

furodeorelha

Mamães e papais, com a proibição de furo de orelha em hospitais e farmacias por causa do risco de infecção, a Vaccine Care trouxe para o Brasil em parceria com a empresa STUDEX dos USA o revolucionario sistema de furo de orelhas que já foi aprovado e liberado pela ANVISA, proporcionando mais segurança para sua filha com menos risco de infecção.
O primeiro furo de orelha de um bebê é recomendado apos 15 dias de idade, com uma técnica específica, totalmente profissional e segura.
Conheça as nossas vantagens nesse procedimento:
  • Clinica especializada, higienizada e totalmente segura,
  • Metodo revolucionário de aplicação praticamente indolor, silencioso e altamente seguro pois o aplicador não tem contato com o brinco,
  • Brincos de Aço Inox Cirúrgico de Grau Médico, totalmente antialérgico, esterelizados e isento de níquel nos modelos folheados a ouro de 24 K,
  • Sistema de aplicação desenhado para proporcionar mais segurança ao aplicador e principalmente mais conforto para o seu bebê, pois seu tamanho reduzido se adapta melhor as orelhas de bebês e crianças com até 10 anos de idade,
  • Brincos 100% antialergicos,
  • Sistema revolucionário importado dos estados unidos da américa,
  • Sistema aprovado, registrado e autorizado pela ANVISA, 100% regulamentado pela nova resolução RDC44 da ANVISA,
A técnica manual que foi utilizada em varias crianças é um metodo antigo e não totalmente seguro, não é um metodo seguro e higiênico, pois tem o contato direto com o aplicador podendo aumentar o risco de infecções, pois nao é 100% estéril, além de não oferecer a mesma precisão, gerando mais dor. Pode acontecer o contato manual com o brinco e a orelha da criança, prejudicando a higiene nesse processo podendo causar infecções.
A pistola de pressão tradicional (que era muito popular nas diversas farmácias do país) não é e nunca foi recomendada para os bebês, porque além de gerar um ruído muito elevado o processo é também mais dolorido. O grande risco também esta na qualidade dos brincos oferecidos pelos profissionais que trabalhavam com esta técnica.
O nosso metodo é mais rápido, totalmente higiênico, praticamente indolor e opera realizando apenas um ‘click’ sendo totalmente silencioso e seguro para sua filha.
Atendimento em domicílio através de agendamento prévio em todo o DF ou em nossa clinica na Asa Sul
Agendamentos pelos telefones: 3242-5996 e 3442-8240.
Fonte: Vaccine Care – Segurança para sua familia.

Vacinas contra a Aids começam a ser testadas em humanos

fitavermelha

Medicamento ataca proteínas que protegem células infectadas

Mais um passo na luta contra a Aids foi dado na França na última terça-feira, 29. O professor Erwann Loret, da Universidade de Marselha, declarou que cientistas irão iniciar nas próximas semanas testes clínicos contra o vírus HIV em 48 pessoas.

Segundo a agência AFP, a vacina ataca a proteína Tat (transativador de transcrição viral), que, nos soropositivos, funciona como uma proteção nas células infectadas, fazendo com que o organismo seja incapaz de identiticá-las e neutralizá-las.

Os 48 pacientes que irão participar dos testes estão em tratamento com coquetéis. Os testes devem começar assim que os médicos selecionarem os voluntários, explicar-lhes os riscos e obterem seus consentimentos.

A vacina será aplicada três vezes, uma por mês. Em seguida, o tratamento com coquetéis deverá ser suspenso por dois meses. Após esse período, se a taxa de vírus no sangue tornar-se indetectável, o estudo terá cumprido os critérios estabelecidos pela OnuAids (órgão das Nações Unidas focado no combae à Aids).

No entanto, este não é o fim da doença, como ponderou Loret. Há uma série de testes que devem ser realizados e que demandam vários anos para avaliar se o resultado é bem sucedido.

“De 25 a 26 testes com vacinas anti-HIV são realizados no mundo atualmente”, estimou o professor Jean-François Delfraissy, diretor da Agência Nacional de Pesquisas sobre a Aids (ANRS) da França, à AFP.

No fim de 2011, cerca de 34 milhões de pessoas viviam com a Aids. Cerca de 0,8% da população entre 15 e 49 anos estavam infectadas. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que o virus causou mais de 30 milhões de mortes desde que foi descoberto e que, a cada ano, 1,8 milhão de pessoas ao redor do mundo morra pela doença.

FONTE: Vaccine Care – Clínica de Vacinas Especializada

Envelhecimento facial é mais acelerado em fumantes, diz especialista

O tabagismo traz inúmeros problemas aos fumantes e um deles é o envelhecimento precoce da pele. A dermatologista Carla Albuquerque cita pesquisas que mostram que o envelhecimento facial do fumante é 3,5 vezes mais rápido que o de um não fumante.

De acordo com ela, o tabagismo causa uma constrição nos vasos da pele, o que acaba levando a um menor fluxo de sangue e a uma menor oxigenação dos tecidos. “Tudo isso determina uma menor produção de colágeno e elastina, substâncias que ‘sustentam’ a pele. O resultado disso é que fumantes ficam com a pele flácida e enrugada mais cedo do que os não fumantes”, explica a Dra. Carla.

Rugas profundas ao redor dos olhos, da boca e nas bochechas são os primeiros sintomas da ação do cigarro e fumar pode causar até mais rugas que o sol, por alterar o colágeno mais profundo da pele. “Além de enrugada, a pele fica acinzentada e pálida”, diz ela. O movimento de fumar também leva ao fortalecimento do músculo orbicular da boca, causando o aumento das ruguinhas de expressão nessa área.

Tireóide e Gravidez

Depois da revelação de Ronaldo Fenômeno sobre Hipotireoidismo, o assunto está em pauta. Mas quais os efeitos do distúrbio da Tireóide para a gravidez?

O sistema endócrino controla inúmeras funções do nosso organismo. Problemas com a glândula tireóide podem interferir diretamente na capacidade de engravidar.

Atraso menstrual, menstruação irregular e falta de ovulação são comuns em pacientes que sofrem de alguma disfunção da tireóide. Sem óvulos para serem fertilizados, a fica impossível. E isso pode acontecer tanto com o hipotireoidismo quanto com o hipertireoidismo.

Até quem menstrua regularmente pode ter o problema e não saber. Muitas vezes a mulher passa anos sem descobrir porque não consegue engravidar.

Além disso, a disfunção da tireóide interfere na gravidez de várias formas ainda desconhecidas. O hipotireoidismo, por exemplo, pode causar um aumento de prolactina, hormônio produzido pela glândula pituitária que induz a produção de leite materno no pós-parto. O excesso de prolactina comprometendo os ciclos menstruais.

O hipotireoidismo também facilita a ocorrência de ovários policísticos em algumas mulheres, comprometendo a fertilidade em alguma medida que precisa ser investigada e tratada por uma equipe especializada em reprodução humana.
De todos os exames do pré-natal que você já sabe que deve fazer, os que avaliam a função da tireoide também é um dos mais importantes, e deveriam ser feitos com mais frequência que o costume. Isso porque, durante a gestação, até mulheres que nunca tiveram qualquer problema podem sofrer alterações nos níveis dos hormônios da tireoide, fundamental para regular o organismo e o crescimento e desenvolvimento do bebê no útero.

Tireóide na Gravidez

Já durante a gravidez, um estudo recente revelou que até mesmo as menores oscilações da tireóide podem levar ao aborto ou ao parto prematuro. A pesquisa foi feita pela George Washington University School of Medicine and Health Sciences, nos Estados Unidos e apesar de não ser um consenso na obstetrícia, o exame para controle da tireoide deveria ser feito a cada quatro ou seis semanas.

Na gravidez, a imunidade do corpo da mulher fica alterada, pois inicialmente o corpo entende que a presença do bebê é um hóspede estranho. Por isso, toda grávida tem a tireóide afetada, mas a maioria das vezes essa alteração fica dentro da normalidade.

Já quando o funcionamento fica mais lento, ocorre o hipotireoidismo, que atinge cerca de 5% das gestantes.

A boa notícia neste caso é que o hipotireoidismo é mais fácil de tratar do que o hipertireoidismo, que acontece quando o metabolismo fica mais rápido, acelerando os batimentos cardíacos da mãe e do feto. Essa condição afeta mais ou menos 2% das grávidas. E, em 80% dos casos não tratados, ocorre parto prematuro ou aborto. O risco de apresentar o problema é maior em Grávidas com histórico familiar.

Lembrando que os sintomas do hipertireoidismo são emagrecimento, taquicardia, suor e uma inquietação exagerada, que leva a tremores durante o dia e à insônia à noite.

Os exames para detectar o problema na gestação são dois exames de sangue. Mas os obstetras não costumam pedir por desconhecer a importância da tiróide na gestação. O hipertireoidismo deve ser detectado ainda no primeiro trimestre para que não ocorra danos no desenvolvimento cerebral do feto.

Portanto, é fundamental que você converse com seu médico sobre o assunto.

Estudo revela que obesidade em homens aumenta em 75% risco de ataque cardíaco

 

Aumento de doenças cardiovasculares ocorre independente de outros fatores de risco como hipertensão arterial e colesterol alto

Estudo realizado pelo Centro de Pesquisa Cardivascular da Universidade de Glasgow, na Inglaterra, revelou que a obesidade nos homens aumenta em 75% o risco de ataque cardíaco, independente de terem ou não outros fatores de risco para o desenvolvimento da doença.

O estudo, que foi publicado hoje, dia 15, na Revista científica Heart acompanhou durante 15 anos 6.082 pacientes do sexo masculino que foram diagnosticados com colesterol alto, mas que não tinham histórico de doença cardíaca ou diabetes.

Durante o período do estudo, os pesquisadores observaram 214 mortes causadas por doenças cardíacas e 1.027 pacientes que sofreram ataque cardíaco e/ou acidentes vasculares que não resultaram em morte. Mesmo após a exclusão de variáveis relevantes, como idade e histórico de tabagismo, o risco de morte entre os homens obesos, com o Índice de Massa Corporal (IMC) entre 30 e 39,9, era 75% superior comparado a homens não obesos.

“Muitos pacientes ficam preocupados somente com os fatores de risco, como o diabetes e a hipertensão, porém esse estudo comprova que o grande problema para a saúde do coração é a obesidade. Os fatores de risco também são complicações que merecem atenção médica, mas temos que considerar em primeiro lugar a prevenção e o tratamento da obesidade, que é responsável pelo desenvolvimento das demais doenças”, destaca o cirurgião especialista em obesidade Dr. Roberto Rizzi.

A obesidade causa a expansão do átrio esquerdo e do ventrículo esquerdo, comprometendo a função cardíaca. O átrio esquerdo é responsável por receber o sangue rico em oxigênio dos pulmões e enviá-lo para o ventrículo esquerdo, que bombeia esse sangue para o corpo. “Temos vários estudos científicos que comprovam os danos que a obesidade causa para a saúde do coração. O alargamento do átrio esquerdo aumenta o risco de arritmia cardíaca e fibrilação atrial. A alteração no ventrículo esquerdo faz com que o coração utilize mais força para conseguir bombear o sangue, podendo causar insuficiência cardíaca. Ou seja, é mais uma constatação de que o excesso de peso é bastante nocivo para o coração”, diz Dr. Rizzi.

A obesidade afeta 205 milhões de homens e 297 milhões de mulheres, ou seja, 9,8% dos homens do mundo e 13,8% das mulheres. No planeta, 1,46 bilhão de adultos registram sobrepeso.

No Brasil, o problema atinge cerca de metade dos adultos em todas as regiões do país, com destaque para o Sul (56,8% dos homens e 51,6% das mulheres) e Sudeste (52,4% dos homens e 48,5% das mulheres). “A obesidade também é o segundo maior fator de risco evitável para o câncer, ficando atrás apenas do tabagismo. A obesidade está ligada ao desenvolvimento de 29% dos casos de câncer de útero nas mulheres e 20% dos tumores de esôfago entre os homens”, alerta Rizzi.

O levantamento do IBGE revelou ainda que a população de 20 anos ou mais, o sobrepeso no sexo masculino saltou de 18,5% em 1974/1975 para 50,1% em 2008/2009. No sexo feminino, o avanço foi menos intenso, e o número saltou de 28,7% para 48% no mesmo período. “A mudança de hábito é a grande culpada por esses números alarmantes que não param de crescer. Precisamos dedicar mais recursos para a prevenção da obesidade no país, ou em pouco tempo estaremos igual aos EUA em número de obesos”, conclui Dr. Rizzi.

Fonte: Site Maxpress

VACINAS MUDARAM MORTALIDADE NO BRASIL A PARTIR DE 1980

Após o ano de 1980, houve alteração nas causas de mortalidade no País. Os óbitos por doenças infecciosas e parasitárias foram progressivamente substituídas por causas crônicas e degenerativas e externas, ligadas à violência. As doenças que faziam grande número de vítimas até os anos 60, hoje representam a oitava causa de morte no Brasil, com 4,4% dos óbitos.

A redução dos óbitos por doenças transmissíveis encontra explicação nas vacinas, que preveniram doenças diarreicas agudas, esquistossomoses, raiva, doença de chadas e hepatite A, poliomielite, sarampo, rubéola, tétano e coqueluche.

 

Vacinas reduziram drasticamente mortes por doenças

transmissíveis

À proporção que as doenças infecciosas caíam e novas vacinas eram desenvolvidas para preveni-las, as mortes por doenças cardiovasculares aumentavam e hoje, ocupam o topo da lista. “A vida está mais moderna, a carga de ocupação é maior e as pessoas estão mais sedentárias. São fatores de risco que predispõem às doenças cardiovasculares”, comenta a cardiologista Denise Matias de Campos.

AVC

 O avanço dos casos de mortes por AVC nos últimos dez anos foi em ritmo mais lento, mas a doença é responsável pela maioria dos óbitos no município. Enquanto os óbitos por pneumonia e acidentes de trânsito cresceram acima dos 60%, os por AVC avançaram 27,5%.

O neurocirurgião Guilherme Cabral de Andrade alerta que só um programa de atenção ao paciente com AVC é capaz de reduzir o índice de mortes. Dentro desse contexto, ele sugere que o município trate melhor as doenças básicas – hipertensão e diabetes –, informe a população sobre os sintomas do AVC, que os médicos dos prontos-socorros estejam aptos a identificar os sintomas da doença e que haja centros de referência de AVC – com tomógrafos, medicamentos e neurologistas – preparados para tratar os doentes.

“Fala-se muito da violência no trânsito, mas como é que o AVC, a doença número em mortes na cidade, não conta com unidade de referência para salvar pacientes?”.

Andrade comenta que o tempo é crucial para evitar a morte e a invalidez dos doentes. O ideal é que o atendimento hospitalar, a partir do primeiro sintoma, seja feito em até seis horas.

Se atendido dentro desse intervalo, o médico tem condição de evitar a morte das células e recuperar o tecido cerebral, reduzindo a mortalidade.

“O atendimento raramente é feito em seis horas porque os sintomas do AVC são inúmeros e o paciente tem dificuldade em associar o que está sentindo a um início de derrame”, diz o médico, citando que a perda de movimentos do braço ou da perna e a dificuldade para falar são os sintomas mais comuns da doença.


Derrame

1.879 pessoas morreram em Maringá vítimas de Acidente Vascular Cerebral entre 2000 e 2010
30% dos pacientes que sofrem  AVC morrem nas  primeiras 24 horas

Sintomas Precoces de Gravidez

Sintomas Precoces de Gravidez

O sintoma1 mais conhecido da gravidez2 é o atraso menstrual, mas outros podem ser percebidos precocemente depois da concepção3. Eles diferem de mulher para mulher e de gravidez2 para gravidez2 em uma mesma mulher. Algumas sentem-os já na primeira semana após a concepção3, outras somente semanas depois ou nem os percebem.

Caso você tenha vida sexual ativa e apresente alguns dos sintomas4 abaixo, pode ser interessante fazer um teste de gravidez2. Mas não se esqueça de que mesmo apresentando muitos desses sintomas4 você pode não estar grávida.

Consulte sempre um médico para orientá-la melhor.
Sangramento de implantação:
Este pode ser o sinal5 mais precoce de gravidez2. De 6 a 12 dias após a concepção3 o embrião se implanta na parede uterina, o que pode provocar um pequeno sangramento conhecido como “sangramento de implantação”. Ele normalmente ocorre um pouco mais cedo do que o dia em que ocorreria a menstruação6, é mais escasso e claro do que uma menstruação6 normal e tem curta duração.

Algumas mulheres podem sentir cólicas7 como se fossem menstruar.

Outras possibilidades: menstruação6, alterações no ciclo menstrual, mudança de pílula anticoncepcional, infecção8 ou pequena erosão da mucosa9 da vagina causada por relação sexual.
Edema10/Inchaço e maior sensibilidade nas mamas:
Começa geralmente na primeira ou segunda semanas depois da concepção3. As mulheres percebem mudanças em suas mamas, como maior sensibilidade ou dor à palpação, sensação de peso ou mamas latejantes.

Para muitas mulheres a sensibilidade e dor nos seios é o primeiro sinal5 de gravidez2.  O aumento do tamanho dos seios devido à ação de hormônios é um sinal5 positivo de que está havendo uma preparação para a amamentação11. Poderá ser notado o escurecimento dos mamilos e o aumento do seu diâmetro.

Outras possibilidades: desequilíbrios hormonais, uso de pílulas anticoncepcionais, sintoma1 de tensão pré-menstrual (TPM).
Fadiga/cansaço:
Sentir-se mais cansada ou sonolenta pode ser um sintoma1 presente já na primeira semana da concepção3, devido ao aumento nos níveis de progesterona durante a gestação.

Outras possibilidades: estresse, exaustão, depressão, resfriado ou gripe12, sobrecarga física ou mental.
Atraso menstrual:
O atraso menstrual é o sintoma1 mais comum da gravidez2, ele geralmente é o que leva uma mulher a fazer um teste de gravidez2. Entretanto muitas mulheres podem sangrar enquanto grávidas, mas tipicamente o sangramento tem menor volume e menor duração do que a menstruação6 habitual e deve ser sempre relatado ao obstetra que a acompanha.

Outras possibilidades: perda ou ganho excessivo de peso, fadiga, alterações hormonais, tensão, estresse, interrupção no uso de pílulas anticoncepcionais ou amamentação11.
Náuseas13 e enjôos matinais:
Este sintoma1 geralmente aparece após 2 a 8 semanas da concepção3. Algumas mulheres não apresentam náuseas13 ou enjôos matinais durante a gravidez2, enquanto outras não deixam de sentir mesmo após os primeiros três meses de gestação. Eles podem estar presentes durante toda a gravidez2, sendo mais comuns no primeiro trimestre. São mais frequentes pela manhã, mas podem ocorrer a qualquer hora do dia.

Cerca de 60-80% das mulheres têm estes sintomas4, umas de forma mais intensa que outras. As mulheres que passam por esta experiência têm menos chance de ter um aborto natural.

O olfato mais apurado e alguns odores como frituras, perfumes, fumaça de cigarro podem causar enjôos repentinos.

Outras possibilidades: alergias alimentares, estresse, doenças do trato gastrointestinal.
Dores nas costas/dor lombar:
Dores lombares podem ocorrer precocemente na gravidez2, entretanto são mais comuns no terceiro trimestre. Algumas mulheres apresentam dor lombar durante toda a gravidez2.

Outras possibilidades: sintoma1 de TPM, estresse, problemas na coluna, desgaste físico ou mental.
Dor de cabeça/cefaléia14:
As alterações hormonais da gravidez2 e o aumento da circulação15 sanguínea podem predispor a dores de cabeça durante a gestação.

Outras possibilidades: desidratação16, excesso de cafeína, sintoma1 de TPM, problemas de visão e outras doenças podem levar às dores de cabeça.
Aumento da frequência urinária:
Por volta de 6 a 8 semanas depois da concepção3 a gestante pode sentir vontade de urinar com mais frequência que o habitual devido ao crescimento do útero17 além da cavidade pélvica.

Outras possibilidades: diabetes18, infecção8 urinária, excesso de alimentos diuréticos19 como as frutas cítricas e uso de medicamentos diuréticos19.
Aumento da circunferência abdominal:
Até seis semanas o útero17 ainda está na cavidade pélvica. Após este período, os órgãos do abdome vão “subindo” conforme o útero17 vai crescendo. A partir daí, a barriga fica mais protuberante e pode ser observada. Em uma segunda gestação, pode haver um crescimento mais precoce da barriga, pelo relaxamento muscular.

Outras possibilidades: infecção8 do trato urinário, diabetes18, aumento da ingestão de líquidos, uso de diuréticos19.
Aversão ou desejos por certos alimentos:
Gestantes podem ter aversão por alguns alimentos e outras podem apresentar desejo de comer certos tipos de alimentos, principalmente no primeiro trimestre da gestação, quando as alterações hormonais são mais acentuadas.

Outras possibilidades: dietas não balanceadas, falta de algum nutriente no organismo, estresse, depressão, TPM, ansiedade.
Variações do humor:
As alterações hormonais podem deixar as grávidas sensíveis e chorosas, principalmente no início da gravidez2. Além das características físicas, podemos pensar também que essas alterações de humor são um esforço da gestante para se adaptar a uma nova realidade de vida que acarreta novas funções, responsabilidades e aprendizagens.

Outras possibilidades: estresse, sintoma1 de TPM, problemas psicológicos.
Tonturas20 e desmaios:
As veias21 ficam dilatadas na gravidez2 e a pressão sanguínea pode cair, causando tonturas20. Às vezes, no início da gravidez2, os níveis de açúcar22 no sangue23 podem diminuir e levar a desmaios. Este é um sintoma1 raro.
Caso você apresente alguns dos sintomas4 acima, o próximo passo é realizar um exame de gravidez2. Um teste rápido de urina24 ou um exame de sangue23 conhecido como beta-HCG pode confirmar ou não a presença de uma gestação.

Quanto mais cedo sua gravidez2 for confirmada, mais cedo você poderá fazer o pré-natal.
Fontes:
National Institutes of Health
American Pregnancy

ABC.MED.BR, 2011. Sintomas Precoces de Gravidez. Disponível em: <http://www.abc.med.br/p/gravidez/29175/sintomas+precoces+de+gravidez.htm&gt;. Acesso em: 10 fev. 2011.

Vacina universal poderá proteger contra todas as gripes

Vírus da estação

A Dra. Sarah Gilbert e seus colegas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, terminaram os primeiros testes de uma nova vacina contra a gripe que poderá proteger os pacientes contra todas as cepas de vírus que causam a gripe.

A vacina universal contra a gripe significaria o fim da vacinação anual, bem como o fim da corrida anual dos médicos para reformular a vacina, que a cada ano deve incorporar o chamado vírus da estação.

Essa futura vacina universal também poderia ser estocada antecipadamente para evitar pandemias, quando ocorre um novo surto.

Como funciona a vacina universal

As vacinas tradicionais induzem a produção de anticorpos que atacam as proteínas externas do vírus da gripe. Como essas proteínas sofrem mutação rapidamente, as vacinas funcionam apenas contra uma cepa do vírus.

A nova vacina, que agora passará para uma nova fase de testes, funciona de forma diferente, aumentando a quantidade de células T no corpo, outro componente importante do sistema imunológico.

As células T atacam proteínas internas ao vírus, que são menos propensas a variar entre as cepas virais.

Desta forma, a vacina poderá funcionar por várias estações, não sendo afetadas pela mutação natural das proteínas externas dos vírus da gripe.

Vantagens da vacina universal

“Se usarmos a mesma vacina a cada ano, seria como a vacinação contra outras doenças, como o tétano. Vai se tornar uma vacinação de rotina, usando uma vacina que será fabricada e usada o tempo todo, em um nível normal.

Nós não teríamos essas demandas ou faltas súbitas – tudo isso poderá acabar,” diz a Dra. Gilbert.

Os pesquisadores também acreditam que a vacina universal contra a gripe poderia proporcionar uma melhor proteção para os idosos, que têm uma menor capacidade de criação de anticorpos e não respondem bem às vacinas tradicionais, que estimulam essa resposta.

Testes

Este estudo inicial foi o primeiro a testar a vacina universal em seres humanos – 22 voluntários saudáveis foram infectados com a cepa da gripe chamada “Wisconsin”, do vírus da influenza A H3N2.

A equipe da Dra. Gilbert continuará os testes da nova vacina, a seguir com milhares de pessoas.

Se os testes forem bem-sucedidos, espera-se que a vacina universal possa estar no mercado em cerca de cinco anos.

Esta não a primeira pesquisa que busca fabricar uma vacina contra todas as cepas dos vírus da gripe – veja Novos passos rumo a uma vacina universal contra a gripe.

As seis vacinas que todo adulto deve tomar

Em todas as fases de nossa vida, estamos suscetíveis a infecções por vírus e bactérias que, se não tratadas, podem causar muitos problemas. “Faz parte da cultura dos brasileiros achar que vacinação é assunto de criança. Mesmo que esse quadro esteja mudando, os adultos ainda não tratam as vacinas com seriedade”, diz o infectologista Paulo Olzon, da Unifesp.

As doenças crônicas que se manifestam mais na vida adulta são fortes indicadores de que o indivíduo precisa se vacinar. “As pessoas que estão em grupos de risco, como as pessoas com mais de 60 anos ou aquelas que têm doenças crônicas, devem sempre estar informadas sobre a vacinação”, explica o especialista.

Existem vacinas tanto para bactérias como para vírus. “No primeiro caso, a vacinação é feita para controlar surtos epidemiológicos. Já no caso dos vírus, a imunização normalmente dura a vida toda, sendo necessárias apenas algumas doses de reforço para garantir que a doença não vai mais voltar”, diz Paulo Olzon.

Vacina dupla tipo adulto – para difteria e tétano

A difteria é causada por uma bactéria, que é contraída pelo contato com secreções de pessoas infectadas. Ela afeta o sistema respiratório, causa febres e dores de cabeça, em casos graves, pode evoluir para uma inflamação no coração.

A toxina da bactéria causadora do tétano compromete os músculos e leva a espasmos involuntários. A musculatura respiratória é uma das mais comprometidas pelo tétano. Se a doença não for tratada precocemente, pode haver uma parada respiratória devido ao comprometimento do diafragma, músculo responsável por boa parte da respiração, levando a morte. Ferir o pé com prego enferrujado que está no chão é uma das formas mais conhecidas do contágio do tétano.

A primeira parte da vacinação contra difteria e tétano é feita em três doses, com intervalo de dois meses. Geralmente, essas três doses são tomadas na infância. Então confira a sua carteira de vacinação para certificar-se se a vacinação está em ordem. Depois delas, o reforço deve ser feito a cada dez anos para que a imunização continue eficaz. É nesse momento que os adultos cometem um erro, deixando a vacina de lado.

Vacina Tríplice-viral ? para sarampo, caxumba e rubéola

Causado por um vírus, o sarampo é caracterizado por manchas vermelhas no corpo. A transmissão ocorre por via respiratória. De acordo com dados do Ministério da Saúde, a mortalidade entre crianças saudáveis é mínima, ficando abaixo de 0,2% dos casos. Nos adultos, essa doença é pouco observada, mas como a forma de contágio é simples, os adultos devem ser imunizados para proteger as crianças com quem convivem.

Conhecida por deixar o pescoço inchado, a caxumba também tem transmissão por via respiratória. Mesmo que seja mais comum em crianças, a caxumba apresenta casos mais graves em adultos, podendo causar meningite, encefalite, surdez, inflamação nos testículos ou dos ovários, e mais raramente no pâncreas.

Já a rubéola é caracterizada pelo aumento dos gânglios do pescoço e por manchas avermelhadas na pele, é mais perigosa para gestantes. O vírus pode levar à síndrome da rubéola congênita, que prejudica a formação do bebê nos três primeiros meses de gravidez. A síndrome causa surdez, má-formação cardíaca, catarata e atraso no desenvolvimento.

O adulto deve tomar a tríplice-viral se ainda não tiver recebido as duas doses recomendadas para a imunização completa quando era criança e se tiver nascido depois de 1960. O Ministério da Saúde considera que as pessoas que nasceram antes dessa data já tiveram essas doenças e estão imunizados, ou já foram vacinados anteriormente.

Mesmo que todos com essas características devam ser vacinados, as mulheres que pretendem ter filhos, que não foram imunizadas ou nunca tiveram rubéola devem tomar a vacina um mês antes de engravidar, já que a rubéola é bastante perigosa quando acomete gestantes, podendo causar deformidade no feto.

Vacina contra a hepatite B

A Hepatite B é transmitida pelo sangue, e em geral não apresenta sintomas. Alguns pacientes se curam naturalmente sem mesmo perceber que tem a doença. Em outros, a doença pode se tornar crônica, levando a lesões do fígado que podem evoluir para a cirrose. “A imunização contra essa doença é importante, pois ela pode causar problemas sérios, como câncer no fígado”, diz Paulo Olzon.

De acordo com o especialista, há algumas décadas, o tipo B da hepatite era o mais encontrado, já que ela pode ser transmitida através da relação sexual e as pessoas não tomavam cuidado com a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis. Depois de uma campanha de vacinação e imunização, e da classificação da hepatite C pelos médicos, ela não pode ser vista como epidemia, mas ainda é preciso tomar cuidado com essa doença.

Até os 19 anos, todas as pessoas podem tomar a vacina contra hepatite B, gratuitamente, em qualquer posto de saúde. A aplicação da vacina também continua de graça, quando o adulto faz parte de um grupo de risco. “Pessoas que tenham contato com sangue, como profissionais de saúde, podólogos, manicures, tatuadores e bombeiros, ou que tenham relacionamentos íntimos com portador da doença são as mais expostas a essa doença”, diz o especialista. Fora isso, qualquer adulto pode encontrar a vacina em clínicas particulares.

Pneumo 23 – Pneumonia

O pneumococo, bactéria que pode causar a pneumonia, entre outras doenças, pode atacar pessoas de todas as idades, principalmente indivíduos com mais de 60 anos. “Pessoas com essa idade não podem deixar de tomar a vacina pneumo 23”, diz Paulo Olzon.

A pneumonia é o nome dado a inflamação nos pulmões causada por agentes infecciosos (bactérias, vírus, fungos e reações alérgicas). Entre os principais sintomas dessa inflamação dos pulmões, estão febre alta, suor intenso, calafrios, falta de ar, dor no peito e tosse com catarro. Adultos com doenças crônicas em órgãos como pulmão e coração -alvos mais fáceis para o pneumococo, devem tomar essa vacina sempre que há uma campanha de vacinação.

Mesmo que ela seja uma das vacinas mais importantes para ser tomadas é a única vacina do calendário que não é oferecida em postos de saúde.

Vacina contra a febre amarela

A febre amarela é transmitida pelo mesmo mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti. A doença rem como principais sintomas febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia (pele e olhos amarelados) e hemorragias. “Se a febre amarela não for tratada, pode levar a morte”, explica o especialista.

Por ser uma doença grave, e com alto índice de mortalidade, todas as pessoas que moram em locais de risco devem tomar a vacina a cada dez anos, durante toda a vida. Quem for para uma dessas regiões precisa ser vacinado pelo menos dez dias antes da viagem. No Brasil, as áreas de risco são: zonas rurais no Norte e no Centro-Oeste do país e alguns municípios dos Estados do Maranhão, do Piauí, da Bahia, de Minas Gerais, de São Paulo, do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

Mesmo que os efeitos colaterais mais sérios sejam muito raros, a vacina contra febre amarela deve ficar restrita aqueles indivíduos que moram ou irão viajar para algum lugar de risco. “Nesse sentido, a preocupação dos médicos está relacionada ao risco de reação alérgica grave ou anafilática, que pode levar a morte os pacientes propensos”, explica o infectologista Paulo Olzon.

Vacina contra o influenza (gripe)
A vacina contra gripe deve estar na rotina de quem está com mais de 60 anos. “Muitas pessoas deixam de tomá-la com medo da reação que ela pode causar. Mas isso é um mito, já que a suposta reação do corpo não tem nada a ver com a vacina, e sim com a própria gripe. Isso porque, o vírus da gripe fica semanas em nosso corpo sem se manifestar e a proteção da vacina não é imediata como as pessoas imaginam”, diz o especialista.

A gripe é transmitida por via respiratória, leva a dores musculares e a febres altas. Seu ciclo costuma ser de uma semana. Pessoas com mais de 60 anos podem tomar a vacina nos postos de saúde, enquanto os mais jovens podem ser vacinados em clínicas particulares.

“Os idosos que não querem esperar até a campanha anual de vacinação contra a gripe podem tomar a vacina em clínicas particulares em todas as épocas do ano”, diz Paulo Olzon.

FONTE: Site Minha Vida
Fernando Menezes

 

Vacina pode prevenir repetição de abortos, diz especialista

Estatísticas apontam que de 100 mulheres grávidas, 10% sofrem aborto no País. Segundo o especialista em reprodução humana Dr. Arthur Fernandes Lemos, estudos imunológicos para o tratamento dos casos de aborto já são uma realidade no Amazonas. Um deles é a vacina de sangue humano.

O especialista explica que as causas dos abortos são classificadas em causas genéticas, hormonais, anatômicas, além de imunológicas. Alguns são de causas desconhecidas, segundo o obstetra. O aborto, segundo o especialista, ocorre em aproximadamente 15% das gestações, destes 20 % a 30% são fatores genéticos.

Um dos casos que o médico destaca é o “aborto de repetição”, quando há perda do bebê em duas ou mais gestações antes de completar a 20ª semana.  “A mulher deve ficar atenta quando há perda do feto durante esse período da gravidez. Se isso ocorrer, é necessário procurar um centro de reprodução humana para fazer exames que vão diagnosticar as causas”, alerta o médico.

O aborto de repetição pode ser evitado, graças a recursos científicos e tecnológicos. De acordo com o médico, o tratamento indicado para esses casos é vacina feita com células do sangue do homem.

No Amazonas, apenas o Centro de Reprodução Humana Fêmina (CRH) realiza este tipo de procedimento. O especialista explica que a alteração imunológica pode ser diagnosticada por meio de exame Crossmatch, onde é analisado o sangue da mulher e o do marido. Se o resultado der negativo – o que pode ser sinal da incompatibilidade-, é indicada a vacina feita com sangue – linfócitos- do parceiro.

“A vacina imuniza o corpo da mulher, por meio da produção de leucócitos que agem como anticorpos identificando a origem paterna e, desta forma, o embrião não será mais expulso do útero da mulher”, explica.

O centro de Reprodução Humana Fêmina acompanha o tratamento de casais com problemas de infertilização do início ao fim da gestação.  A clínica realiza tratamentos de alta complexidade (bebê de proveta) e baixa complexidade (inseminação artificial), e conta com a parceria da RDO Diagnósticos, de São Paulo.

Fonte: Portal Amazônia

 

Mulheres que comem menos carne vermelha têm o coração mais saudável

Poderíamos dizer esta frase se suas maneiras, uma pessimista e outra otimista: comer carne vermelha aumenta risco de doenças cardíacas, ou evitar carne vermelha diminui as chances de problemas no coração. De qualquer maneira, se você é daqueles que não pode viver sem um bife mal passado, temos uma notícia alentadora: não precisa varrer completamente a carne vermelha do seu cardápio, basta dosar as quantidades.

Por exemplo: Se você come carne vermelha mais de uma vez por dia, cortar essa freqüência pela metade (dia sim, dia não) já pode ser de grande ajuda. Tomando essa providência, você reduz o risco de ter um ataque cardíaco ou morte por doença cardíaca.

Embora pareça uma tarefa complicada para aqueles que realmente apreciam essa fina iguaria, não é preciso um esforço muito grande para atingir essa meta. Basta começar a incluir mais outras fontes de proteína, de baixo teor de gordura, tais como castanhas e peixe. É claro que a maioria dos consumidores não está pensando nos nutrientes que ingerem, e sim no paladar em si, o que torna a tentação um pouco mais difícil de resistir.

Quem conduziu os estudos quanto aos malefícios da carne vermelha, desta vez, foram pesquisadores do departamento de nutrição da Universidade Harvard, em Cambridge (Massachussets, EUA). Um foco abordado na pesquisa, pouco abordado até então, foi sobre as diferenças dos efeitos da carne especificamente no sexo feminino.

Os estudiosos acompanharam cerca de 85 mil mulheres de meia-idade, com média de 26 anos de idade, período em que 2.210 das mulheres tiveram ataques cardíacos e 952 morreram de problemas no coração. As mulheres tiveram seus quadros médicos analisados e suas dietas diárias seguidas de perto. A partir de questionários, os pesquisadores levaram em conta outros fatores determinantes para a saúde, tais como índice de massa corporal (IMC), tabagismo, consumo de álcool, e periodicidade de exercícios físicos.

Foi descoberto o seguinte: mulheres que comem duas porções de carne vermelha por dia têm um risco aumentado 30% em desenvolver da doença cardíaca, em comparação com mulheres que a ingerem de três a quatro vezes por semana, ou apenas meia porção por dia. Embora possa não parecer muito significativa, os pesquisadores definem essa diferença de 30% como “dramática”.

Como “carne vermelha” trata de uma ampla gama de opções, os pesquisadores procuraram ser específicos. E descobriram que alguns tipos de carne vermelha parece são piores para o coração do que outros. A carne vermelha “propriamente dita”, geralmente em forma de bifes, parece ser a menos nociva: uma porção diária aumenta o risco de uma mulher em ter doenças cardíacas em apenas 8% comparado a quem nunca come carne. Mas outros produtos apresentam taxas bem mais alarmantes: para um hambúrguer (42%), uma porção de bacon (41%), e um cachorro-quente (35%) por dia, a situação torna-se realmente perigosa.

Soluções para a substituição saudável foram também explicadas. Os pesquisadores estimam que substituir uma porção de carne vermelha por uma de feijão (que se equivalem em proteínas), reduz as chances de ataque cardíaco em cerca de um terço. O feijão, assim, apresentou a maior eficiência nessa troca de cardápio, seguida de castanhas (30%), peixe (24%), frango (19%), e laticínios desnatados, de baixa gordura (13%), todas apresentando vantagem sobre a carne vermelha.

Os cientistas explicam, no entanto, que não se trata de um vilão, basta saber dosar as quantidades. Além disso, muito da variação está no modo de preparo da carne. Quanto mais você puder retirar de gordura do alimento, na hora de cozinhar, fritar ou assar, mais estará ajudando o seu coração. Sem abdicar aos prazeres (gastronômicos) da carne. [CNN]

Pertencer ao grupo sanguíneo “O” garante proteção contra ataques cardíacos

O mesmo gene que faz com que pessoas tenham o tipo sanguíneo “O” garante uma proteção extra contra ataques cardíacos, de acordo com pesquisadores do Instituto Cardiovascular da Universidade da Pensilvânia.

A maior parte da população pertence a esse grupo sanguíneo. A enzima que faz com que as pessoas sejam do grupo O é determinada por um gene – e esse mesmo gene oferece proteção extra contra ataques cardíacos.

Para chegar a essas conclusões, os cientistas compararam mais de 6000 pessoas que sofreram um ataque cardíaco e 7400 pessoas que tinham algum tipo de doença coronária, mas que ainda não haviam sofrido nenhum ataque cardíaco.

Apesar dos cientistas descreverem a associação como “notável”, provando que há relação entre trombose e doenças coronárias com o tipo sanguíneo, eles não quantificam a proteção extra que as pessoas com sangue tipo “O” teriam. [Telegraph]

Cuba anuncia primeira vacina contra câncer de pulmão

Informações da agência internacional EFE, Cuba registrou a primeira vacina terapêutica contra o câncer de pulmão avançado no mundo, nomeada CimaVax EGF, com a qual mais de mil pacientes receberam tratamento, anunciou nesta segunda-feira o jornal oficial “Trabajadores”. A responsável pelo projeto no CIM (Centro de Imunologia Molecular) de Havana, Gisela González, explicou que a vacina oferece a possibilidade de transformar o câncer avançado em uma “doença crônica controlável”.

Foto –> Reprodução/Google
Cuba

 

CimaVax EGF é o resultado de mais de 15 anos de pesquisa direcionada ao tumor e não provoca efeitos adversos severos, precisou a especialista. “A vacina é baseada em uma proteína que todos temos: o fator de crescimento epidérmico, relacionado com os processos de proliferação celular, que quando há câncer estão descontrolados”, detalhou.

González indicou que como o organismo tolera “o próprio” e reage contra “o estranho”, por isso tiveram que fazer “uma composição que conseguisse gerar anticorpos contra esta proteína”.

A vacina se aplica no momento no qual o paciente conclui o tratamento com radioterapias e quimioterapias e é considerada “terminal sem alternativa terapêutica” porque ajuda a “controlar o crescimento do tumor sem toxicidade associada”, precisou. Além disso, pode ser utilizada como um tratamento “crônico que aumenta as expectativas e a qualidade de vida do paciente”.

A pesquisadora declarou que após alcançar seu registro em Cuba, atualmente o CimaVax EGF “progride” em outros países e que avalia-se a forma de empregar seu princípio em tratamentos contra outros tumores como os de próstata, útero e mamas.

Fonte: Blog do JC

Vacina contra cólera é útil após surgimento de epidemia

Medicação chega a proporcionar uma proteção de até 76% em países afetados

Hospital em Porto Príncipe, Haiti

Pessoas com cólera recebem atendimento em hospital de Porto Príncipe, no Haiti (Thony Belizaire/AFP)

Segundo pesquisadores americanos, as epidemias estão cada vez mais frequentes e severas no mundo. O vírus responsável pelo cólera, por exemplo, sofreu diversas mutações nos últimos anos. No Haiti, já há cerca de 4.000 mortos

Uma vacinação contra o cólera durante uma epidemia como a do Haiti pode limitar sua propagação e permitir combater melhor uma bactéria que, após várias mutações recentes, voltou mais virulenta. Um estudo conduzido no Vietnã durante uma importante epidemia de cólera em Hanoi mostra que a administração de uma ou duas doses de vacina oral proporciona 76% de proteção eficaz. A pesquisa, conduzida por Dang Duc Anh e Anna Lena López, do Instituto Internacional de Vacinas (IVI) em Seul, na Coreia do Sul, foi publicado no periódico Public Library of Science (PLoS).

Uma outra pesquisa, feita por Rita Reyburn, do IVI de Stonetown em Zanzibar (Tanzânia), estabeleceu um modelo dos efeitos de uma vacinação contra o cólera durante várias epidemias recentes no mundo. Sua equipe provou os efeitos de uma vacinação sobre 50 a 75% da população dez semanas após o início de uma epidemia, com uma segunda dose 33 semanas depois. Em todos os casos, os médicos constataram efeitos positivos.

Em um editorial que acompanha os dois estudos, Edward Ryan, do hospital geral de Massachusetts e da Universidade de Harvard, destacou “a importância” dos resultados obtidos frente à ineficácia dos esforços internacionais na luta contra o cólera, cujas últimas epidemias foram registradas no Haiti, Paquistão, Zimbábue, Nigéria, Angola e Vietnã.

Ryan também destaca que estas epidemias são cada vez mais frequentes e severas, e explica no editorial que a bactéria Vibrio cholerae, responsável pelo cólera, teve muitas mutações nos últimos anos. Essas novas características da bactéria fazem com que a comunidade médica e os responsáveis pela saúde pública revisem o possível papel de uma vacina para ajudar a controlar as epidemias.

A epidemia de cólera no Haiti deixou desde meados de outubro cerca de 4.000 mortos. A doença manifesta-se com diarreia intensa, vômitos e náuseas que provocam grave desidratação

 

Atividade Física para menores!

Como deve ser a alimentação dessa galerinha animada?

Crianças e adolescentes que praticam esporte estão na frente da disputa quando o assunto é proteger-se da obesidade infantil e dos males do sedentarismo na vida adulta.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda uma hora de atividade física diária para garantir o crescimento saudável dessa galera. Nesses casos, porém, é bom saber que o esporte não significa passe livre para as guloseimas.

Alimentos industrializados e doces repletos de açúcar não precisam ser evitados, mas devem ser consumidos moderadamente, com uma porção ao dia ou negociados para os fins de semana.

Esse público precisa de um cardápio balanceado e com carboidratos de qualidade para garantir o pique dos jovens esportistas.

Vale a regra básica na hora de preparar as refeições: quanto mais colorido o prato, melhor. Além de mais estimulante, a diversidade de cores reflete o leque de ofertas necessárias dos nutrientes fundamentais para o crescimento e o desenvolvimento.

Para os mais gordinhos, o ideal é nunca ultrapassar três horas em jejum e  reduzir o tamanho das porções. Já para os magrinhos de metabolismo acelerado, é possível adotar alimentos mais calóricos, como uma colher de azeite no arroz ou até o leite condensado na salada de frutas.

A ingestão total de calorias diárias varia de acordo com o peso e a idade.

De 5 a 7 anos: 86 a 90 calorias/quilo de peso.
De 7 a 10 anos: 67 a 78 calorias/ quilo de peso.
De 11 a 14 anos (meninos): 55 calorias/ quilo de peso.
De 11 a 14 anos (meninas): 47 calorias/ quilo de peso.

Para aqueles que treinam regularmente, seja na aula de natação, na escolinha de futebol ou no judô, é importante garantir o pique com a ingestão de alimentos cerca de uma a duas horas antes da atividade.

As refeições principais devem ser ricas em carboidratos complexos como macarrão, arroz, purê e grãos integrais.

Para pequenos lanches de manhã ou à tarde, antes ou depois do treino, o melhor são sanduíches com peito de peru e queijo branco ou atum, cereais, biscoitos, torradas, pão e frutas.

Crianças e adolescentes não devem fazer uso de suplementos nem de bebidas esportivas. A intensidade e o volume de treino que uma criança exerce não exigem o consumo desses produtos.

Toda a fonte de energia deve vir apenas da alimentação e nos horários estabelecidos. Horários fixos, aliás, valorizam o momento, além de regular o funcionamento do corpo.

Fonte: Trigoesaude.com.br


 

Dores na coluna podem ser sinais de “postura pobre”

Dores nas costas, dores de cabeça frequentes e tensão muscular são alguns dos sintomas que atingem várias pessoas depois de um dia longo de trabalho e estudos. Mas o que muitos desconhecem é que esses incômodos podem ser resultados de uma postura pobre. Causada por fraqueza muscular crônica generalizada, que é resultado do sedentarismo da maioria da população.

“Desde cedo devemos cuidar dos nossos músculos. Fortalecendo-os para que nosso envelhecimento seja o mais saudável possível. Como o metabolismo corporal funciona bem quando a musculatura está bem, nunca devemos nos esquecer de pelo menos, três a quatro vezes por semana praticar uma atividade que nos traga tônus muscular. É como escovar os dentes, ou seja, manter a musculatura forte é fundamental para nossa qualidade de vida na velhice”, afirma o ortopedista Vicente Carlos Franco Macedo, membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT.

O especialista conta ainda que a educação postural começa na infância. “É só lembrar o que fazíamos naquela época. Corríamos, brincávamos e etc. A musculatura estava em constante fortalecimento. Já na vida adulta paramos tudo.” diz.

Nos adultos, alguns cuidados podem prevenir futuros desconfortos na coluna. “As pessoas precisam adaptar a musculatura ao local de trabalho. Manter uma boa postura e a cadeira, por exemplo, precisa ter altura adequada para que os pés se apóiem no solo e o encosto deve acompanhar a altura das costas”, explica.

Um dos objetos de trabalho, vilões da má postura são os equipamentos portáteis, como os notebooks e celulares que podem ser usados em qualquer lugar, sem uma postura adequada.

Mas as dores na coluna, não são consequências apenas de quem trabalha. Os jovens que passam um longo tempo na escola ou em casa estudando também sofrem com o problema. “Passar longas horas sentados nas cadeiras de escolas, ou estudando deitado ou no sofá, nos jovens não causam apenas dores posturais, podendo evoluir até para casos mais sérios como desvios na coluna em pessoas que ainda estão em fase de crescimento”, conta o médico.

O cuidado com a postura deve se estender também nos horários de lazer. “As pessoas que sofrem com as dores posturais, precisam procurar um especialista para diagnosticar a atividade adequada para ela, além de fazer uma reeducação postural. O simples ato de levantar, a cada 40 minutos, para descansar o corpo da posição em que estava já ajuda a reduzir futuras dores”, diz.

Texto: Aline Morais
Fonte: Saúde em Movimento

 

Idade paterna inferior a 20 anos de idade está associada a problemas de saúde mental nas crianças.

Para avaliar a influência de fatores perinatais e sociais na saúde mental de crianças entre 7 e 9 nove anos de idade, Juliana Rodriguez, da Universidade Federal do Maranhão, e colegas desta instituição e da Universidade de São Paulo e do King`s College London, no Reino Unido, investigaram 805 nascimentos nos anos de 1997 e 1998 na cidade de São Luís. A amostra foi avaliada novamente em 2005 e 2006. Os resultados do estudo serão publicados no jornal internacional Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology.

Os autores afirmam no artigo que analisaram as variáveis perinatais, socioeconômicas e demográficas 24h após os partos. Anos mais tarde, ao realizarem a segunda avaliação, eles utilizaram o Strengths and Difficulties Questionnaire (SDQ) para avaliar problemas de saúde mental nas crianças.

As análises estatísticas, segundo os autores, revelaram que a prevalência geral de problemas de saúde mental na amostra total foi de 47,7%. Os problemas emocionais foram identificados em 58,2% dos participantes, enquanto problemas de conduta foram observados em 48,8%. De acordo com os pesquisadores, pela escala SDQ somente idade paterna – menor que 20 anos – foi associada com problemas de saúde mental. Crianças nascidas de mães solteiras e os que apresentaram peso ao nascer variando entre 1.500g e 2.499g e entre 2.500g e 2.999g tiveram risco maior de problemas emocionais, sendo que as crianças que eram de famílias de baixa renda apresentaram um risco menor. As crianças cujos pais tinham menos de 20 anos de idade tiveram um risco maior de ter problemas com seus pares.

Já escolaridade materna de nove anos ou mais foi inversamente associada com problemas com pares e de conduta. Por outro lado, escolaridade materna de quatro anos ou menos aumentou o risco de hiperatividade na infância. Os autores afirmam ainda na publicação que meninas tiveram um risco menor de apresentar problemas com pares e de hiperatividade.

Diante dos resultados, os pesquisadores entendem que condições socioeconômicas e demográficas foram melhores preditores de problemas de saúde mental em crianças do que peso ao nascer e prematuridade. Entretanto, os autores afirmam que uma vez que a maioria dos tamanhos dos efeitos foi pequena a maior parte dos problemas foi inexplicada pelas variáveis do estudo.

Fonte: Saúde em Movimento/Agência Notisa

 

Vacina contra o HPV

Já chegaram ao Brasil as vacinas para prevenir a infecção pelo HPV.

464759Há uma centena de tipos de HPV, mas a maioria das infecções é causada por apenas quatro deles. As versões 16 e 18 do vírus são responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo de útero. Já os HPV 6 e 11 respondem por 90% das verrugas genitais.

Fabricada pelo laboratório Merck Sharp & Dhome, a Vacina Quadrivalente contra o HPV protege contra quatro tipos do vírus – o 6, 11, 16 e 18 -, que são responsáveis por 70% dos casos de câncer do colo de útero e por 90% das verrugas genitais e está indicada em mulheres entre 9 e 26 anos de idade.

Fabricada pelo laboratório GSK , a Vacina Cervarix, também chamada de Vacina contra HPV oncogênico da GSK, protege contra os vírus 16 e 18. Segundo informações do fabricante, “A vacina demonstrou 100% de eficácia contra as infecções incidentes e persistentes, contra as anormalidades citológicas e o desenvolvimento histológico de NIC associados ao HPV-16 e ao HPV-18.9″ Como a anterior, a idade recomendada da vacinação é a mesma.

Ambos os fabricantes apresentam pesquisas suficientes que mostram uma proteção duradoura nas mulheres vacinadas para o risco de câncer de útero. Solicitamos que entre em contato com seu médico pessoal para saber as vantagens da vacina contra HPV.

Fonte: Clínica de vacinas

 Logo VACCINE CARE