‘Aceito qualquer coisa’: Para voltar ao mercado, desempregados se sujeitam a cargos e salários menores


image

Dono de restaurante que virou garçom. Estudante de arquitetura na linha de produção de fábrica. Ontem advogado, hoje vendedor.

Com oportunidades escassas, desempregados estão procurando vagas fora de suas áreas, com exigências e salários menores. Segundo agências de emprego e especialistas do setor, a tendência é predominante nas contratações.

A mudança vem com o aumento do desemprego, que subiu para 7,6% em janeiro nas seis principais regiões metropolitanas do país, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgados nesta quinta-feira. Em dezembro, a taxa era de 6,9%. O número de janeiro é o maior para o mês desde 2009, quando alcançou 8,2%.

Os cortes começaram a atingir os brasileiros mais escolarizados, que entram na disputa com profissionais menos qualificados. Pelos dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho, no ano passado foram fechados 115 mil postos para pessoas com ensino superior completo e incompleto.

Daphne Hoher, de 23 anos, sentiu os efeitos de um mercado mais concorrido. Com duas faculdades no currículo, além de cursos técnicos e inglês fluente, não conseguiu voltar a trabalhar em hotéis, segmento em que tem experiência como recepcionista bilíngue. O jeito foi tentar ser atendente de telemarketing.

“Não entendo o que está acontecendo. Nos meus antigos empregos, meus chefes sempre pediam para eu não sair. Agora não consigo voltar.”

A matemática é dura. No caso de Daphne, que está desempregada desde novembro, já foram enviados mais de 80 currículos. Desses, só três levaram à etapa de entrevista. Em duas delas, nem informaram se alguém foi escolhido.

image

Mais comum

Recrutadores de agências de emprego de São Paulo dizem que essa situação tem se tornado frequente.

Andreia Nunes, a analista de recursos humanos da empresa Fator RH, afirma que 60% das contratações feitas em fevereiro são de pessoas que aceitam posições e salários mais baixos do que tinham antes. Em outubro, só 30% dos candidatos se encaixavam nesse perfil.

Segundo o fundador da Opus RH, Douglas Androvic, até meados do ano passado a lógica era ter mais postos do que gente para preenchê-los. Mas o cenário mudou.

“Demorávamos três, quatro meses para fechar uma função administrativa com alguém. Hoje, recebo trinta currículos em uma hora.”

Para ele, a corrida pelas vagas foi causada pelas mudanças nas regras do seguro-desemprego – agora, é necessário trabalhar por pelo menos um ano para ter direito ao benefício – , além da rápida deterioração dos indicadores econômicos. Esse conjunto, diz, trouxe de volta quem estava fora das filas de emprego.
“As pessoas passaram a ter outra visão do emprego. Se são desligadas, começam a procurar no dia seguinte. Antes, muita gente procurava só de seis em seis meses (por causa do seguro).

Na outra metade do ano, tiravam férias”, acrescenta Renata Motone, gerente de recursos humanos da Luandre, uma das empresas maiores do ramo de contratação, com filiais em três Estados.

image

Quer pagar quanto?
O aumento da concorrência entre candidatos beneficia as empresas, que podem pagar menos e escolher profissionais com o melhor currículo.

Corretor imobiliário há mais de dez anos, Carlos Maia, de 37 anos, ficou intrigado ao não ser chamado para uma vaga de vendedor de porta em porta. A função pagava pouco mais de R$ 1 mil. Vendendo terrenos, ele chegou a ganhar R$ 10 mil em um mês.

“Estava apto para trabalhar com aquilo e não fui chamado. Dá uma frustração. Mexe com o ego também. Você não sabe se é crise, se fecharam a seleção, se não estão contratando mais…”
Ter experiência e preencher os requisitos necessários não anda sendo o bastante.

“As empresas estão exigindo mais. Querem experiência de três, quatro anos, curso superior. Elas sabem que vão pegar uma pessoa de mais qualidade”, diz Sandra Cavalcanti, gerente comercial da agência GVR, também em São Paulo.

Nesse cenário, o argumento de que alguém é qualificado demais para um posto não vale mais. Assim como a pretensão salarial deixa de estar nas mãos do candidato: o poder de barganha está com as empresas, explicam os recrutadores.

image

Na dúvida, o analista de seguros Nelson Pedro, há 25 anos na área, prefere informar “remuneração a combinar” nas fichas que preenche. Ele costumava ganhar mais de R$ 3 mil, mas aceita posições a partir de R$ 2 mil. “Eu toparia, para não ficar parado.”
Marcos Chagas, de 44 anos, fundador da agência de recrutamento Enfok, diz que essa é a resposta na grande maioria dos casos nos dias de hoje. “Você não escuta mais ‘eu quero ganhar mais’. Se a pessoa ficar no emprego, está no lucro.”

Salários menores
A queda das expectativas dos profissionais e os ajustes das empresas, interessadas em gastar menos num cenário ruim, fez diminuir os salários de admissão.
Cálculos do professor da FEA-USP e especialista em relações de trabalho Wilson Amorim mostram que a diferença entre os pagamentos de demitidos e contratados cresceu em 2015.
Em dezembro do ano passado, os recém-contratados ganhavam, em média, 15% a menos do que os desligados recebiam quando saíram do emprego. Em janeiro do mesmo ano, a diferença era de 5%. O levantamento usa dados do Caged, do Ministério do Trabalho.
“A empresa Brasil está demitindo gente que ganha mais e contratando gente que ganha menos.”
A sujeição ao empregador começa ainda antes da demissão, explica o professor, quando o profissional se sente inseguro e faz menos exigências. No desemprego, ele precisa abrir o leque e “se submeter a condições às quais antes não se submeteria”.
Sem escolhas

image

O jogo de forças que beneficia a empresa, diz, é novidade para quem tem entre 30 e 35 anos. Uma geração que podia pensar para onde queria ir.

“Dá para dizer que quem entrou (no mercado) nos últimos dez, doze anos, pode escolher o emprego, porque a taxa de demissão estava menor. Existe um grupo de trabalhadores que ingressou no mercado, constituiu família e teve uma experiência que foi cada vez mais favorável. Eles vão experimentar uma dificuldade que não tinham experimentado antes.”

Georgio Lima, de 31 anos, pensava que a “construção era o que levava o país” quando decidiu cursar engenharia civil, há três anos. Com um curso técnico na área de vestuário e vários anos de experiência no currículo, achou que a situação era estável e foi estudar.

Há seis meses sem emprego e a um ano da formatura, não consegue opções em nenhuma das áreas.

Duzentos currículos e algumas entrevistas depois, a conclusão é desanimadora. “No momento, estou indo no que pintar.”

Fonte : BBC Brasil

%d blogueiros gostam disto: