Archive for julho 27, 2015

QUANDO A GENTE DECIDE TOMAR UM NOVO RUMO NA VIDA

Quando a gente decide tomar um novo rumo na vida, acontece um movimento natural de buscar reforços. A gente lê, faz cursos, participa de grupos, se mune de conteúdos que apoiem nossa transformação. Porém chega um momento em que toda essa carga vai transbordando. A gente pode entrar numa ansiedade tremenda, querendo que as coisas caminhem rápido, afinal começa a soar um alarme interno de muito tempo perdido. Quando a gente começa a se aprofundar e a remexer nos baús, parece que a vida virou uma enorme bagunça. A gente quer mudar tudo aqui e agora. Mas não há organização que possa começar por todos os lados ao mesmo tempo, só que a gente não sabe por onde começar. O copo transborda. Nessas horas a gente quer alguma luz, busca respostas por todos os lados, um conselho, uma dica. E vai acumulando mais carga e o copo transborda ainda mais. Daí a gente começa a questionar a nossa capacidade, as teorias e até as pessoas que nos estenderam as mãos. A gente passa a buscar, questionar, debater com tudo que está fora. Mas o turbilhão está dentro.

~ pausa para respirar ~

Quantas vezes ao dia você respira profundamente? Quantas vezes ao dia você sequer percebe a sua respiração? Se hoje, não houve nenhuma pausa assim, que essa seja a primeira. Perceba o ar entrando pelas narinas mais frio, saindo pela boca mais quente, o peito se estendendo depois relaxando. Ocupe seu lugar no momento presente.
Quando a gente quer tomar um novo rumo, na melhor das intenções, a gente começa um movimento. Mas a gente começa, muitas vezes, uma movimentação que só nos consome energia, um movimento que não nos move a lugar algum. Simplesmente porque não ouvimos a nossa voz, não refletimos qual horizonte será o nosso norte, nem sentimos nossos pés pisando o solo que está aqui e agora. Então, respire! Você não está numa corrida ou numa luta contra o tempo.

Não! Faça do tempo seu aliado. Você não está atrasada. Você está no exato momento perfeito para saber o que você sabe e os recursos chegaram na hora em que você estava pronta para receber. Essa é a sua hora! Você nunca mais será tão jovem quanto é agora (isso vale se você tiver 17 ou 63 anos), nem nunca teve a consciência que você tem agora. E mais, você só tem o agora. Então, desfrute-o. Não encha seu agora com cobranças pelo que foi, nem com medo pelo que virá. Senão, seu agora vai virar uma ilusão, uma miragem.
Pare, respire. Comece por um ponto. Um pequeno passo. Abra um pequeno espaço na sua agenda e comece a cuidar de você, que sejam 15 ou 20 minutos por dia. Comece a escrever um Diário da Gratidão. Esvazie a mente. Cante ou dance. Faça algo que eleve sua energia e bem estar. Com o tempo, esses 15 ou 20 minutos já serão sagrados. Você conseguirá abrir mais algum tempo, 1 hora quem sabe. Até que você consiga enxergar sua presença em todos os momentos e em todas as escolhas.

Eu sei, você tem fome de vida! Você quer preencher sua existência com tudo de belo que você almeja. Você quer sentir seus olhos brilhando e o coração batendo dentro do peito. E você quer isso agora! Mas se você não desacelerar, o que você vai sentir é só o coração batendo ansioso e a respiração curta e pouco profunda, enchendo seu peito de angústia – o contrário de tudo que você sonha.

Comece pelo seu “porquê”. Por que você quer realizar essa transformação profunda? Qual é o significado disso para você? Por que você quer levantar todos os dias de manhã? Qual é a diferença que você quer fazer? Qual é o seu lema de vida? E também aqui: respire! Comece pelos pequenos “porquês”, não se exija achar a revelação do suprassumo do universo. Podem ser coisas simples, como “eu quero ser colo e aconchego”, “eu quero inspirar as pessoas a serem elas mesmas”, “eu quero ser quem eu sou e me sentir presente na vida” ou alguma outra frase simples que espelhe o seu “porquê” nesse momento, como ele veio para você.

A partir desse “porquê” é que deve se assentar o restante. Dele é que vem o “como”. Como você vai expressar esse “porquê”, seu propósito, seu lema de vida. Depois vem “o quê”, o que você vai fazer, quando, de que maneira. A partir daí, você tem critérios mais sábios (da sua sabedoria interna) para tomar decisões, para comparar as propostas com os seus valores, para planejar ações, para traçar seu mapa e seguir a caminhada.

Enquanto essas bases não se clareiam, não existe super ferramenta de produtividade que aprume as coisas, nem guru que ilumine as ideias. Ah, mas também não espere “se conhecer completamente” antes de dar os primeiros passos. Muitas vezes o seu “porquê” vai se revelar para você no cotidiano, nos acontecimentos corriqueiros, em alguma frase que vai lhe parecer nova, na medida que você diz sim às coisas que lhe acendem. Clareie as bases e vá definindo os próximos passos, com calma e inteireza. Vá pra vida e esteja atent@!

O que acontece é que a gente sai à procura de algo que nem sabe o que é, nem sabe como, muito menos o porquê. Como você vai reconhecer a resposta, se nem sabe qual é a pergunta? Então, se asserene, acolha as perguntas, aprenda a amá-las. Comece procurando as respostas que vêm de dentro, observe seu movimento interno e comece a clarear as coisas. Procurar por respostas para aplacar a sua ansiedade, alimentando mais ansiedade… Bem, assim você só vai ter mais respostas desse mesmo nível. Se a gente quer soluções diferentes, precisa fazer diferente.

~ deixe ser fácil ~

Deixe que flua, deixe ser fácil.

Muitas vezes basta que a gente faça um pequeno ajuste no nosso jeito de pensar, que a gente pare de resistir e controlar, que a gente pare de dificultar. E aí, as coisas fluem.

A gente é que complica. Então, a gente também pode simplificar, facilitar, permitir.

Respire, se escute, se acolha. Não se cobre tanto, viu? Você está fazendo um lindo caminho! Reconheça isso!

Anúncios

Aprenda em 3 passos para gerenciar crises

Charlie Chaplin disse sabiamente: “Desespero é um narcótico. Ele tranquiliza a mente com a apatia.” Quando permitimos que o desespero atue com domínio em meios às crises, automaticamente reduzimos a nossa consciência, relaxamos e entorpecemos a nossa sensibilidade. Consequentemente haverá uma indiferença e uma diminuição de reação que nos levará a ficarmos inertes diante das dificuldades

O cenário atual do nosso país é totalmente desafiador. Se tivéssemos que eleger uma palavra no momento, com certeza seria crise. Escassez de água, alta do combustível, aumento nas contas de energia, alta da inflação, entre outros, são alguns dos motivos que comprovam que estamos passando por um momento de crise, em diversas esferas. Geralmente, problemas desta natureza atingem a todos; alguns de maneira direta, outros indiretamente. Sendo assim, todas as empresas e também profissionais estão vulneráveis às crises. A única diferença está na maneira como cada um administra os seus problemas.

Em momentos de crise o que fazer? Temos duas opções: permitir que o pessimismo domine, deixando-nos abater ou aprender a administrar as dificuldades. Como isso é possível? Em momentos de crise os obstáculos aumentam. Somos obrigados a sair da nossa zona de conforto, e aquilo que vem para a nossa ruína, pode ser convertido ao nosso favor, servindo-nos de mola propulsora, dando-nos o empurrão necessário para buscar novos rumos para a nossa carreira e o nosso negócio, superando as dificuldades e encontrando novas oportunidades. Aprenda em três passos a gerenciar crises.

1. Evite o desespero: manter a calma e evitar o desespero é o primeiro passo, mesmo que tenhamos motivos para isto. Através do desespero, a nossa mente compreende que estamos num beco sem saída e logo somos atormentados por sentimentos de desesperança que nos impedem de tomar decisões e agirmos. Charlie Chaplin disse sabiamente: “Desespero é um narcótico. Ele tranquiliza a mente com a apatia”. Quando permitimos que o desespero atue com domínio em meios às crises, automaticamente reduzimos a nossa consciência, relaxamos e entorpecemos a nossa sensibilidade.

Consequentemente haverá uma indiferença e uma diminuição de reação que nos levará a ficarmos inertes diante das dificuldades.

Ao evitar o desespero, conseguimos com uma maior facilidade pensar e agir de maneira lógica. Como evitar o desespero? Agindo, pois a ação neutraliza a aflição.

2. Aceite o problema: Qual a importância da aceitação? Quando falamos em aceitação, estamos nos referindo à importância de compreender os fatos e não de conformar com a situação. Qual a diferença? Ao nos conformamos com a situação, estamos evitando um confronto necessário com a realidade na qual estamos inseridos, privando-nos de conhecer profundamente o nosso problema e assim possivelmente aniquilando as chances de nos livrarmos dele. Como resolver uma dificuldade sem reconhecer a sua existência?

O problema existe e precisamos reconhecê-lo. Essa atitude nos ajuda a prosseguir de maneira segura. Para os fracos, o objetivo principal dos obstáculos é nos impedir de avançar e alcançar a nossa meta. Para os fortes, o objetivo dos obstáculos é simplesmente uma maneira divina de nos fazer mudar a rota, nos conduzindo para a direção correta, que nos levará exatamente onde precisamos chegar. Os obstáculos, quando vistos de maneira positiva, nos ajudam a fazermos uma análise da situação e estudar as melhores saídas.

Aceitar não é o mesmo que conformar-se, pelo contrário, quando aceitamos a realidade dos fatos, temos uma maior facilidade para nos mobilizar e correr atrás dos prejuízos.

3. Adapte-se ao momento atual: para sobreviver a uma crise e diminuir seus impactos, precisamos aprender a adaptar-nos ao momento atual, e essa não é uma tarefa muito fácil. A adaptação é um dos maiores desafios a serem enfrentados nestas circunstâncias. Falar de adaptação é falar de ajuste. Imagine engordar alguns quilos e ao abrir o guarda-roupa se deparar com todas aquelas roupas apertadas? Somos rapidamente acometidos por um estresse bastante elevado. Essa é uma das consequências do impacto, afinal de contas, que tem facilidade para engordar sabe: parece que dormimos magros e num piscar de olhos acordamos gordos.

Depois do impacto é hora de enfrentar a situação, hora dos ajustes. Calças apertadas nas pernas viram shorts. Vestidos que ficaram curtos se transformam em blusas. Blusas que não fecham se transformam em belos casaquetos. Tem também as amigas que aceitam trocas. Viu? Parece fácil, mas fazer ajustes dá muito trabalho.

Em situações de crise, a nossa rotina é cercada por incertezas, originadas das avalanches de mudanças necessárias para mantermos o controle. Isso exige de nós uma maior habilidade de adaptação. Neste contexto, o mais importante é aprender a administrar a nós mesmos. A resiliência é fundamental nesse processo, dando ao ser humano a capacidade de lidar com seus problemas, ajudando-o na administração das emoções, no controle dos impulsos, a ser mais otimista e também eficaz.
Quando nos adaptamos às crises, temos uma capacidade maior para identificar caminhos que nos permitam aproveitar os momentos de adversidades e transformá-los em oportunidades.

Independente de qualquer que seja a crise, é de suma importância mantermos o foco na luta para superar as dificuldades. Até porque crises, adversidades e perturbações têm uma duração temporal.