Archive for abril 20, 2012

Porque as mulheres preferem os canalhas

Já faz 13 anos que a série Sex and the City estreou e, no entanto, ainda há quem fale do personagem Mr. Big. Por quê?

Porque, segundo a antropóloga e cientista de relacionamento Helen Fisher, somos viciadas nele. Não, não somos viciadas pelo real Mr. Big, ou seja, em Chris Noth, o ator, mas sim somos viciadas em nossos próprios Mr. Bigs – os homens que nos juntam em um calor imenso para nos espalharem em cacos novamente alguns meses mais tarde.

Mas é claro, nós sabemos que SÓ PODE SER COM ELE, de modo que rastejar de volta para Mr. Big e repetir este ciclo devastador outra vez parece a coisa certa a se fazer até acabar a sexta temporada ou, você sabe, até nos cansarmos de sermos usadas e finalmente seguirmos em frente.

Por que as mulheres se torturam? Fisher diz que é porque o amor brinca com o seu cérebro da mesma maneira que as drogas. Na verdade, o amor pode ser o vício original.

“Meu palpite é que nossos vícios modernos de nicotina, drogas, sexo e jogos de azar são simplesmente uma projeção desta via cerebral antiga que evoluiu há milhões de anos, que evoluiu do amor romântico. O sistema cerebral evoluiu para concentrar sua energia em um indivíduo e iniciar o processo de acasalamento”, explica Fisher.

A pesquisadora sabe disso porque estudou pessoas que tiveram seu coração partido. Ela descobriu que a rejeição por um Mr. Big ativa as mesmas áreas do cérebro do que quando você tem um desejo por algo em que está viciado.

Isso explica porque, como qualquer um que já tenha sido rejeitado pode dizer, você faz algumas coisas basicamente loucas quando está sofrendo por um cara que terminou com você –  perseguição, destruição de bens pessoais, choro compulsivo, alguém?

Então, tudo bem, uma vez que você admitiu que tem um problema e decidiu que quer sair dele, como você consegue superá-lo? Segundo Fisher, “o amor é realmente um vício, então você tem que tratá-lo como um vício”. Isso significa cortar qualquer contato com sua fonte de vício.

Nenhum contato, nenhuma tentativa de permanecer amigos, e definitivamente você não pode entrar em seu carro quando você chega em casa depois de uma noite incrível com suas amigas e o encontra estacionado em frente ao seu apartamento. Lembre-se: isso só vai levar a coisas ruins![Jezebel]

Anúncios

As 10 pessoas mais obesas do mundo

Atenção: Este artigo contém imagens que podem ser consideradas inadequadas para crianças.

Se você pensa que é gordo(a), olhe novamente no espelho e confira essa lista. Você não viu nada.

1-Paul Mason

Com 50 anos de idade e 444 quilos, esse inglês já foi considerado o homem mais gordo do mundo. Recentemente, ele passou por uma cirurgia bariátrica e já está com 254 quilos. Ele diz que sua dieta de 20 mil calorias por dia é que foi a culpada por ele ter chegado naquele estado, mas ele também culpa o serviço público de saúde da Grã-Bretanha, que não permitiu que ele se consultasse com um especialista quando tinha apenas 180 kg.

2-Donna Simpson

Nascida em 1967, essa estadunidense quis se tornar uma das mulheres mais gordas do mundo a partir de 2008. Seu objetivo era pesar 450 quilos. Com o passar dos anos, ela foi engordando e construiu um site, onde fãs pagavam para assisti-la comer. Em 2010, ela entrou para o Livro dos Recordes ao ser a mulher mais pesada a ter um bebê. Em agosto de 2011, ela decidiu que queria emagrecer e chegar aos 170 kg, para que possa se tornar independente novamente.

3-Manuel Uribe

O mexicano de Monterrey sofre de obesidade mórbida. Depois de ser dono de 567 kg e de não conseguir mais sair de sua cama desde 2001, Uribe conseguiu perder 180 quilos. Ele virou atração internacional depois de aparecer em um programa da rede de televisão Televisa, onde recusou uma cirurgia bariátrica na Itália. Em 2009, havia boatos de que ele havia morrido, mas eram falsos. Em fevereiro de 2012, foi registrado seu novo peso: 199 quilos.

4-Robert Earl Hughes

Durante a vida de Hughes, ele foi o ser humano mais pesado no mundo, com cerca de 486 kg. Sua obesidade era culpa de um mau funcionamento da glândula pituitária e, quando faleceu devido ao sarampo em 1958, pesava meia tonelada.

5-Kenneth Brumley

Considerado o papai de meia tonelada, Brumley era uma das pessoas mais gordas de que se têm registro. Ele passou quatro anos sem sair da cama, esperando por uma cirurgia. Quando finalmente conseguiu, bombeiros tiveram que demolir uma parede de sua casa para tirá-lo de lá.

6-Michael Hebranko

Depois de uma estadia no Hospital São Lucas, em Nova York, nos Estados Unidos, seu peso foi de 411 quilos para 90. Com uma boa dieta e exercícios físicos, ele entrou para o Guinness como a pessoa com a maior perda de peso em 1990.

7-Mayra Rosales

Um tribunal no Texas, Estados Unidos, decidiu que Mayra Rosales, com cerca de 453 kg, era pesada demais, e, por isso, inocente da acusação de assassinar seu sobrinho. Para ela, seria impossível levantar o braço para matar.

8-Jon Brower Minnoch

Pesando 635 kg, o ex motorista de táxi faleceu em 1983 devido a um grave edema. Apenas para rolá-lo na cama, eram necessárias 13 pessoas.

9-Terri Smith

A atual mulher mais pesada do mundo está em uma batalha para perder seus 317 kg depois que os médicos avisaram-na que ela poderia morrer. Ela fica confinada em seu quarto, sem poder se locomover, e depende de seu marido e de sua filha para tudo.

10-Dzhambik Khatokhov

Esse menino russo de onze anos, mais conhecido como Jambik, pesa 146 quilos e detém o recorde de criança mais gorda. Suas comidas preferidas são sorvete e mingau, e sua mãe parece não se preocupar com isso. Jambik pratica luta e faz natação cinco vezes por semana. “Eu quero ser esportista quando crescer. Melhor: um campeão olímpico. Eu gosto de ser forte”, confidencia o menino, que é famoso na Rússia e no mundo por ter ido a vários programas de TV. [Oddee]

A verdadeira razão da agressividade masculina

Quem sai à noite (principalmente) sabe que a maior parte das brigas são entre homens. Apesar de vez ou outra as mulheres partirem para a ignorância, arrancando cabelos e distribuindo tapas, os homens ainda são os mais responsáveis por tais situações desagradáveis.

Agora os valentões podem até dar uma justificativa (mas não uma razão): a seleção sexual. O pesquisador John Archer, da Sociedade de Psicologia Britânica, aponta para uma série de evidências que explicam a agressividade masculina com a competição histórica entre eles.

O pesquisador analisou estudos que mostram a época de maior violência como sendo a juventude, os “20 e poucos anos”. Ele também comenta que há muito menos homicídios entre as mulheres, além da freqüência maior de comportamentos arriscados na presença de outros homens. Outra diferença entre os sexos é a severidade no uso da violência.

De acordo com Archer, uma série de modificações masculinas, durante a adolescência, ajudam nesse comportamento. Aquela voz meio fina, meio grossa, do seu irmão mais novo; o bigode ralinho que começa a nascer… São sinais dos hormônios aumentando, e isso gera mais tendência à agressividade. Também, as diferenças de peso, altura e força, em relação às mulheres, mostram uma evidência de adaptação masculina para combate.

Archer também comenta que dois princípios fundamentais influenciam na agressividade e na violência: desigualdade de riquezas e alto índice sexual entre os jovens.

“A pesquisa evidencia que as questões sociais, como a riqueza e a competição entre os homens, podem contribuir para a violência que vemos hoje”, finaliza o pesquisador. [ScienceDaily, foto de Polina Sergeeva]